Centro: Uma faxina bem-vinda
25/02/2010
FCC promove exposição da artista Kátia Áurea
26/02/2010

Revitalizar o Centro Histórico da Capital, incluindo a praça 15 de Novembro, o largo da Alfândega e o calçadão da João Pinto, é o objetivo de diferentes ações e projetos para a região, tanto do poder público quanto da sociedade. A reativação do terminal Cidade de Florianópolis para todas as linhas intermunicipais e a mobilização dos comerciantes para reanimar as vendas, a restauração da Casa de Câmara e Cadeia (o antigo prédio da Câmara Municipal) e a polêmica sugestão do fechamento da praça 15 durante a noite para evitar a invasão de mendigos são exemplos de ações para reverter a situação de abandono de uma das áreas mais nobres da Capital.
A proposta de fechar a praça 15 durante a noite foi apresentada pelo vice-prefeito e secretário de Transportes, Mobilidade e Terminais de Florianópolis, João Batista Nunes. “De que adianta manter a praça aberta se quem usa não são os moradores, as famílias que querem visitar o local?”, argumenta João Batista. De acordo com o vice-prefeito, o projeto ainda está em fase de estudos, mas a ideia é manter a praça aberta para visitação pública e gratuita durante o dia e trancá-la no período noturno, com a vigilância de agentes da Guarda Municipal ou Polícia Militar. “Vamos ver o que se pode fazer e como a ideia será recebida pela sociedade que fará parte do processo de discussão”, afirma o vice-prefeito.
Embora polêmica e radical, a ideia não é tão revolucionária. Entre os anos de 1894 e 1912, o jardim da praça 15 já era murado e gradeado, conforme relatos da obra “Ruas de Florianópolis”, do escritor Adolfo Nicolich da Silva. Segundo o autor, as grades foram retiradas em 1912, no governo do prefeito Henrique Rupp. O portão principal que dava acesso à praça seria o que está instalado na entrada do cemitério São Francisco de Assis, no bairro Itacorubi, em Florianópolis.
Medida divide opiniões dos freqüentadores
O assunto divide opiniões entre comerciantes e moradores. Para a proprietária de uma banca na praça há 35 anos, Solange Maria da Costa, a ideia é radical. “Não haveria necessidade de fechar a praça se houvesse mais policiamento aqui. Também é preciso fazer os mendigos voltarem para as suas cidades”, avalia. Já o aposentado João Paulo Nazaré Bastos é favorável. “Depois das seis da tarde não tenho mais coragem de passar sozinho aqui”, conta ao lado dos amigos Wilson Losso e Waldir Vidal da Fonseca, que têm o mesmo posicionamento. Os moradores de rua, por sua vez, refutam a ideia. “Daqui a pouco vão querer privatizar a praça”, reclama um deles, Davi Amorim.
Opinião
“Acredito que deve haver alguma ideia melhor. Isso não é viável nem para o turismo. A prefeitura deveria buscar outras alternativas” – Diogo Martins, administrador.
“Acho que fechar é uma boa alternativa, mas também é preciso ter mais segurança e policiamento” – Waldir Vidal da Fonseca, aposentado.
Terminal será recuperado
Formado em dezembro passado, o Núcleo Terminal Cidade de Florianópolis, composto por representantes dos cerca de 80 estabelecimentos comerciais da região e apoiado pela CDL (Câmara dos Dirigentes Lojistas) da Capital, realizou uma reunião na manhã de ontem para discutir iniciativas para reaquecer o comércio no local.
Eles esperam o cumprimento do prazo dado pela prefeitura para inaugurar o terminal, após uma reforma e a realocação no terminal de todas as linhas intermunicipais (parte delas foi desativada em 2003), no dia 23 de março, aniversário de Florianópolis. “A licitação já foi feita e as obras de reforma devem começar na semana que vem. Tudo indica que faremos a inauguração no dia 23”, informa o vice-prefeito.
De acordo com o coordenador do núcleo, o comerciante Antonio Carlos Wiezorkoski, desde que o terminal foi parcialmente desativado o movimento de consumidores caiu 80%. “Estamos desenvolvendo estratégias de divulgação do comércio local, com festividades e promoções na semana do dia 23 de março. Solicitamos parceria com algumas entidades para que nos forneçam suas estruturas de recreação, como desfiles, oficinas, teatros, leitura e brincadeiras, para chamar a atenção das pessoas”, explica.

Alto-falante

Gerente de uma loja de roupas e integrante do núcleo, Vera Lúcia Bueno já se encarregou de fazer a publicidade das mudanças. Com um microfone em punho e uma caixa de som na porta da loja, Vera chama a atenção das pessoas divulgando as novidades para o mês de março. “Eu creio na revitalização e ela vai sair. Nunca estivemos tão perto desta realidade”, diz a gerente.
(Por Maiara Gonçalves, Notícias do Dia, 25/02/2010, pag. 3)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

0 Comentários

  1. Shasça disse:

    A Praça deve permanecer livre para os cidadãos e o Poder Público deve oferecer condições de uso da mesma. Se a administração municipal de Florianópolis não consegue cuidar de uma praça, então estamos perdidos!
    Daqui a pouco, o Executivo Municipal propõe desmanchar a Praça XV e construir mais uma área de estacionamento. Aliás, deve ser esta a meta: depois de aterrar as áreas à beira-mar, terraplenar as praças.
    Boa sorte pra nós!!!

  2. Daniel Gomez disse:

    Me desculpe o sr. vice prefeito da cidade.
    Mas a praça XV é pública e não pode ser fechada à noite só porque ali habitam alguns(pouquissimos)marginais vindos de fora. Enxotados dali, irão para outro ponto da cidade e essa não é a solução.
    Já é hora que se trate o problema dos andarilhos, adultos e crianças, com programas inteligentes de inclusão. Basta de jogar mais lixo para baixo do tapete.

  3. clara disse:

    Se tivermos que cercar a Praça XV para evitar a permanência dos mendigos …também teremos que executar esse procedimento nas outras regiões da cidade, como a praça da alfândega, por exemplo.Dessa forma, a cidade seria toda cercada. As medidas a serem tomadas, são o policiamento ostensivo e a atuação da Assistência Social da Prefeitura do município.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *