Obras de prédio nos Ingleses devem parar
03/07/2006
Comissão recebe relatórios sobre Mercado
04/07/2006

A Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan) desistiu de lançar os efluentes da futura estação de tratamento de esgoto da Barra do Sambaqui junto à foz dos rios Ratones e Veríssimo, como previsto no projeto inicial. Em vez disso, vai encomendar estudos oceanográficos e de impacto ambiental para a construção de um emissário que leve o esgoto tratado até o meio da baía Norte. A decisão, que adiará o início da obra em mais de um ano, foi comunicada ontem pelo assessor da diretoria de operações da Casan, Nelson Bittencourt, durante audiência pública na Comissão de Meio Ambiente da Câmara de Vereadores de Florianópolis para discutir a construção da Estação.

O projeto inicial previa o lançamento do esgoto ao lado de uma zona de manguezais (área de preservação permanente) e nos limites da Estação Ecológica de Carijós, reserva ambiental federal. A idéia provocou oposição de associações de moradores e entidades ambientais, além de pareceres contrários da Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina (Fatma) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), que recomendou os estudos para a alternativa de um emissário – tubulação em parte subterrânea e em parte submarina para levar os efluentes ao meio da baía.

Para o diretor de Meio Ambiente da Associação dos Moradores da Barra do Sambaqui, Ralph Wagner, a solução apresentada pela Casan não resolve o problema. “A Casan optou pela solução mais econômica, com estações baratas e de baixa eficiência, e não adianta construir um emissário para mandar o esgoto para a baía, onde não há circulação de água”, argumentou Wagner. Um emissário teria de ser construído levando os efluentes para o mar aberto, a uma distância de nove quilômetros ao norte, ou se buscar outra solução, como infiltração em dunas, levando até Ingleses”, sugeriu.

O engenheiro do setor de projetos da Casan Alexandre Philippi, explicou que as opções de bombear o esgoto para Ingleses ou estender o emissário até o mar não são viáveis por falta de recursos para isso. “O que vamos levar até a baía não é esgoto in natura, mas com tratamento secundário, que elimina entre 85% e 90% dos poluentes”, disse. “Tratar mais de 90% é muito caro, e a Casan não conseguiria obter recursos para isso”, justificou. Está acertada a elaboração de um termo de referência, com a colaboração de cientistas da cidade que tem estudado a circulação das águas na baía Norte, para orientar os estudos sobre o emissário.
(Carlito Costa, A Notícia, 04/07/2006)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

1 Comentário

  1. Carlos Estrella disse:

    A ESEC Carijós vem sendo inteiramente degradada pela imprópria Estação de Tratamento negociada pelo Loteamento Jurerê internacional cujo despejo nos rios da ESEC, sem tratamento adequado faz daquela área da ESEC a mais degradada segundo os Laudos de Laboratório que monitoram a área.

    Ora a Barra de Sambaqui é uma área de baixíssima densidade e a de maior qualidade ambiental de todo o entorno da ESEC.

    Inadmissível que a área que foi melhor preservada seja penalizada com o direcionamento para lá dos esgotos sanitários de outras áreas.

    Esta proposta partiu de pretenso técnico do IBAMA, que responde a processo criminal na Justiça Federal, proc. 2005.72.00.004778-1 -SC por CORRUPÇÃO,COAÇÃO E ABUSO DE PODER, que acina laudos e TACs como engenheiro, quando já teve o seu registro profissional cassado desde 19/11/1999, pelo CREA/SC por determinação do CREA/RS.

    Todos os seus laudos técnicos são nulos e suas assessorias atendem a interesses de ONGs para apoio ingênuo e alguns organismos que servem para distribuir as verbas, sob a forma de disfarçados pagamentos de assessorias “técnicas”.
    Estas denúncias agora serão agora esclarecidas pela CPI das ONGs pelo Senado.

    Inadmissível que a área mais bem preservada do entorno agora seja degradada como foram as que estão do lado da Sede da ESEC. E, muito menos por orientação de “técnico” no exercício ilegal da profissão de engenheiro.

    E, foi com estas credenciais que o mesmo Paulo Benincá Salles orientou o Novo Plano Diretor, critérios estabelecidos por quadrilha especializada especializada em licenciamento de loteamentos.

    Importante que entidades da sociedade civil organizada se preservem contra o envolvimento por ingenuidade, mediante simpáticas doações de valores incluidas em TACs. Esta transferência de recursos é ilegal emrazão destas entidades não estarem subordinadas à fiscalização do TCU. Os TACs obrigatoriamente deveriam dirigis os valores negociados ao Fundo Nacional do Meio Ambiente. Da mesma forma os valores desviados para o IBAMA, PARA GASTOS SEM CONTROLE ORÇAMENTÁRIO constituem na verdade CAIXA DOIS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *