Florianópolis terá sua primeira volta à Ilha de remo
24/08/2018
Deinfra ainda não foi notificado pelo TCE dos ajustes na licitação das pontes da Capital
24/08/2018

Base cartográfica da Grande Florianópolis começa a ser criada

Representantes das prefeituras da Grande Florianópolis conheceram o projeto da Rede de Referência Cadastral Intermunicipal da Região Metropolitana da Grande Florianópolis em seminário na Granfpolis, nesta quinta-feira, 23 de agosto. Esse é o início para criar uma base cartográfica de toda a região, necessária para planejamento urbano e projetos de engenharia.

O “Estudo e Proposições para Implementação de Planos e Políticas de Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis” do Laboratório de Geoprocessamento – GeoLab da Udesc visa planejar e viabilizar a RRCI (Rede de Referência Cadastral Intermunicipal) dos nove municípios da Região Metropolitana da Grande Florianópolis. Para isso, os municípios passarão dados cartográficos para equipe de pesquisadores do GeoLab para que eles refinem essas informações com o objetivo de criar uma integração da base cartográfica da região metropolitana.

“Uma das proposições mais importantes para o conjunto de municípios é que eles criem protocolos administrativos internos e toda e qualquer dinâmica da cidade, qualquer processo de medida do território, de partes de terras ou de novos loteamentos passem a solicitar a geolocalização dessa propriedade. Ela vai ser medida integrada a um conjunto que se conversa, pois até então há uma série de dados que não estão georreferenciados ou estão em sistemas distintos. Nessa condição (rede) todo o território passa a ser georreferenciado organizado. Assim o novo loteamento não terá um georreferencial arbitrário que o topógrafo implantou e saiu medindo. Com essa rede única todos os loteamentos serão encaixados como uma quebra cabeça“, explicou o professor da Udesc Francisco Henrique de Oliveira.

Outra questão de planejamento urbano em que o cadastro territorial contribui é a definição oficial de limites municipais. Hoje muitas cidades não têm clareza do seu limite, há propriedades que recebem IPTU dos dois municípios ou de nenhum.

Durante o seminário, os representantes das prefeituras preencheram um formulário com informações básicas sobre cadastro territorial. Estiveram presentes técnicos de Águas Mornas, Antônio Carlos, Biguaçu, Florianópolis, Governador Celso Ramos, Palhoça, Santo Amaro da Imperatriz, São Pedro de Alcântara, São José, Suderf, Secretaria de Estado do Planejamento, UFSC, Associação dos Municípios da Região da Grande Florianópolis (Granfpolis) e Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU-SC).

(Rosália Dors Pessato Assessoria de Comunicação SUDERF)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *