Voluntários removem lixo de mangue na Tapera, em Florianópolis
16/04/2019
Definido o calendário da pesca da tainha para 2019
17/04/2019

Movimento Floripa Sustentável vai focar na inclusão social para desenvolvimento sustentável

A inclusão social para tirar a cidade do caminho da violência e garantir o desenvolvimento de Florianópolis com sustentabilidade ambiental será o principal foco do Movimento Floripa Sustentável.

O Movimento, que existe desde 2017, passou a ser coordenado pela Associação FloripAmanhã, através de Zena Becker, presidente do conselho da Associação, e reuniu dia 16 de abril, cerca de 130 lideranças da cidade. “Nosso lema, a partir de agora, é Prosperidade com Inclusão Social”, disse Zena, que quer levar para a periferia projetos de desenvolvimento, principalmente na área de tecnologia para aproveitar o potencial já existente.

Durante o encontro foi lançado um manifesto em favor de Florianópolis assinado por 32 entidades, colocando a inclusão como fator primordial para atingir essa sustentabilidade e conter problemas provocados pelo crescimento populacional. O manifesto fala da necessidade urgente de planejamento da cidade, com atividades concretas de inclusão social da periferia, já que a falta de planejamento resulta na falta de mobilidade, favelização e degradação do meio ambiente. Também participaram do encontro o Padre Vilson Groh, que falou da experiência do trabalho de inclusão de seu instituto, e do secretário municipal de Transporte e Mobilidade, o arquiteto e urbanista Michel Mittmann, que apresentou os planos prefeitura para a mobilidade.

O presidente do Conselho e um dos fundadores do movimento, o empresário Fernando Marcondes de Mattos, abriu a reunião falando que “se não houver um esforço gigantesco dos poderes públicos, empresas, instituições e cidadãos pela inclusão social, não escaparemos do destino de insegurança total na cidade”. Ele pediu uma ação rápida por parte de todos para que “Florianópolis não se torne uma Rio de Janeiro”, onde foi endossado por diversas outras lideranças.

Marcondes citou como ações urgentes o aumento no Plano Diretor da ilha do número permitido de quatro para 10 andares em alguns locais para criação de novas centralidades, a criação de bairros com vida própria como forma de aliviar o trânsito, evitando deslocamento até o Centro; a construção de quatro mil residências ao ano para suprir o déficit; multiplicar iniciativas nas áreas de esporte, música, artesanato e outros para crianças e adolescentes de áreas precárias; multiplicar ações sociais, entre outras. Além disso foi criado um grupo de arquitetos voluntários que vão trabalhar com prefeitura a questão da mobilidade na cidade.

Zena Becker citou projetos de tecnologia, que vem sendo desenvolvidos pelo Centro Sapiens e salientou que empresas de tecnologia entraram em contato com o Padre Vilson Groh para criar um centro de inovação no Morro da Cruz. “É a primeira semente para aproveitar os talentos que já existem e capacitar. Temos dificuldade com mão de obra para tecnologia. Porque não usar isso?”, disse.

O padre Vilson Groh, coordenador do Instituto Vilson Groh, defendeu as mesmas ações citadas por Marcondes de Matos nas áreas mais carentes. Ele falou do potencial enorme que existe na periferia e da necessidade urgente de se oferecer oportunidades a jovens e crianças para que não sejam atraídos por traficantes e facções criminosas. “Florianópolis é um potencial, basta gerar oportunidade. A cidade são pessoas e pessoas podem transformar”, disse, citando como exemplo um projeto onde ensinam surf, que está tirando vários jovens do tráfico, que voltaram a estudar e trabalhar.

Integrante da rede coordenada pelo Instituto Padre Vilson Groh, o empresário Jayme de Paula também destacou a importância da inclusão social para o futuro da cidade, como ferramenta para transformar alguns indicadores negativos da cidade, como a violência e a pequena oferta de empregos. “Se a inclusão social fizer bem para o nosso coração, podem ter certeza que também vai fazer o bem para o nosso bolso”, completou.

Ações urgentes sugeridas pelo movimento Floripa Sustentável

  • Alterar o plano diretor para elevar o gabarito atual de 4 andares vigente na Ilha, com exceção do Centro, para 10 ou mais andares, de acordo com as características de cada região;
  • Construção de 4 mil residências por ano, não excluindo aquela parcela da população que se afavela nos morros, nas restingas, nos mangues e nas dunas, num processo que à jusante, aparece a criminalidade, o tráfico de drogas e a insegurança em toda a cidade;
  • Criação de novas centralidades (bairros que podem viver quase por conta própria para aliviar o trânsito entre as regiões e o Centro);
  • Disciplinar a entrada de imigrantes sem condições;
  • Multiplicar as iniciativas visando motivar crianças e adolescentes moradoras em áreas precárias para o esporte, as música, o artesanato, etc;
  • Multiplicar as ações sociais nas favelas.

mm
Assessoria de Comunicação FloripAmanhã
A Assessoria de Comunicação da FloripAmanhã é responsável pela produção de conteúdo original para o site, newsletters e redes sociais da Associação. Também realiza contatos e atende demandas da imprensa. Está a cargo da Infomídia Comunicação e Marketing Digital. Contatos através do email imprensa@floripamanha.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *