Semana Nacional de Ciência e Tecnologia apresenta trabalhos no Centro de Florianópolis
11/10/2018
FloripAmanhã e PMF promovem encontro sobre revitalização de espaços urbanos e meio ambiente
11/10/2018

Santa Catarina pode se tornar referência mundial no setor de inovação até 2030

Da Coluna de Estela Benetti (NSC, 11/10/2018)

O avanço acelerado de inovações disruptivas ou não no mundo digital e fora dele exige atitude pró-ativa para sobreviver e ampliar negócios. Para a maioria das cerca de 40 entidades que integram o Pacto pela Inovação de Santa Catarina, o Estado, que já é referência nacional, tem condições de ir além e se tornar um dos melhores do mundo no setor até 2030, ou seja, daqui a apenas 11 anos.

Para isso, é preciso que a tríplice hélice – integrada por empresas, instituições de ensino e o setor público – siga unida e invista mais rápido. Essa meta ousada foi destacada em reunião do Pacto pela Inovação, ontem, no Instituto Senai de Inovação em Sistemas Embarcados, no Sapiens Parque, por lideranças do setor com a imprensa.

Entre os que participaram no evento de quarta-feira estava o presidente da Associação Catarinense de Tecnologia (Acate), Daniel Leipnitz, para quem o setor será a maior economia do Estado em cerca de 10 anos. Segundo ele, o Pacto deve priorizar mecanismos para incentivar o empreendedorismo no setor, com geração de emprego e renda. Ele avalia que a união pelo Pacto torna o setor mais forte e imprime rapidez na busca dos objetivos.​

O coordenador do Pacto pela Inovação, Jean Vogel, considera que o Estado é o único do país com um setor de tecnologia desenvolvido e com um projeto em andamento para a instalação de 13 centros de inovação em diversas cidades do Estado. Coordenador do projeto de implantação desses centros até recentemente, ele disse que apesar do atraso – só dois centros estão operando, o de Lages e o de Jaraguá do Sul – muitos avanços acontecem por meio da integração dos envolvidos.

Ele explica que as obras dos centros de inovação atrasaram não por falta de recursos, mas porque algumas empresas que ganharam a licitação entraram em crise e não puderam dar continuidade. Mas é um projeto que une o ecossistema de inovação.

O diretor do Senai/SC, Jeferson de Oliveira Gomes, chamou a atenção sobre a importância de expandir os setores de tecnologia e inovação. Aproveitou para fazer comparação de valores. Informou que, em média, as exportações brasileiras têm valor de US$ 5 a US$ 55 por quilo.

O nanossatélite que está sendo construído no Instituto Senai de Inovação em Florianópolis terá valor de US$ 55 mil por quilo. Na avaliação do superintendente da Fundação Certi, José Eduardo Fiates, SC já conta com maturidade em inovação e tem avançado em convergência e criatividade. Para Natalino Uggione, que atua no grupo de trabalho do Pacto, é preciso investir mais em formação de pessoal porque o setor de TI enfrenta falta de profissionais qualificados.

Profissões da tecnologia

Candidatos ao governo e à presidência da República pouco têm falado sobre propostas ao setor de tecnologia que está transformando tudo, especialmente o emprego e as empresas. O coordenador do Pacto pela Inovação de SC, Jean Vogel (foto), destacou no evento de ontem no Instituto Senai de Inovação profissões em alta e em baixa segundo o Fórum Econômico Mundial, mês passado.

Em alta estão carreiras de cientista de dados, especialista em inteligência artificial, gestores de operações, analistas e desenvolvedores de softwares, profissionais de vendas e marketing, especialistas em Big Data, em transformações digitais e em desenvolvimento das organizações; e profissionais de serviços de TICs. Entre as carreiras em baixa estão digitadores, contabilistas, folha de pagamento, secretariado, operadores de chão de fábrica, serviços aos clientes, administradores, auditores, gestores de estoque e serviços postais.

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *