Última semana da exposição sobre Cidadania na Biblioteca Pública de Florianópolis
07/05/2018
Ministério do Turismo lança curso virtual gratuito para melhorar a qualidade de serviços
08/05/2018

Safra da tainha começa fraca em função do calor

A safra da tainha para os pescadores artesanais começou fraca no litoral de Santa Catarina. Os cinco primeiros dias de captura não tiveram números significativos a ponto de a Federação de Pescadores do Estado de Santa Catarina (Fepesc) nem ter este levantamento. A expectativa é que nos próximos 10 dias o tempo esfrie e ajude a trazer os peixes para as águas catarinenses.

— O peixe precisa de vento Sul e frio para poder sair da Lagoa dos Patos, do Uruguai, e subir para o nosso litoral. Estamos esperançosos, ainda vai ser uma safra boa — acredita o presidente da Fepesc, Ivo Silva.

A pesca da tainha começou no dia 1º de maio para os pescadores artesanais nas canoas a remo em todo o litoral brasileiro. No dia 15 de maio é a vez dos barcos a motor entrarem na água para a pesca anilhada e no dia 1º de junho, a captura será liberada para a pesca industrial. No total, o litoral catarinense possui 26 colônias de pescadores artesanais envolvidos com a pesca.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), responsável pela Secretaria de Pesca e Aquicultura, ainda não emitiu a portaria com as licenças para os pescadores. Segundo Silva, a Fepesc enviou uma solicitação ao Mapa para que enquanto não saísse as licenças os pescadores possam pescar utilizando o protocolo de pedido de licença e a licença de 2017 como documentos oficiais. O Mapa ainda não deu uma resposta, mas os pescadores estão seguindo a orientação da federação.

— Esperamos que antes do dia 15 saiam as licenças para as 130 embarcações — comenta.

Pela primeira vez, o Estado terá cota para a captura de tainha. Com isso, o número de licenças deve aumentar. No ano passado 17 barcos industriais receberam autorização, este ano o número saltará para 50. Para as duas frotas — de anilha e industrial — porém, foi estabelecida uma cota máxima de até 3,8 mil toneladas.

A contagem das tainhas pescadas é feita na chegada do peixe às indústrias pelo Serviço de Inspeção Federal (SIF) do Mapa. Quando o limite estabelecido for alcançado, o governo emitirá uma portaria no Diário Oficial da União e a pesca ficará suspensa.

(Hora de Santa Catarina, 05/05/2018)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *