Clipping

Uma luz para os resíduos na Capital




Da Coluna de Rafael Martini (DC, 02/01/2018)

Representantes do Conselho Metropolitano para o Desenvolvimento da Grande Florianópolis (Comdes) entregaram na semana passada ao presidente da Celesc, Cleverson Siewert, protocolo de intenções para a implantação de projeto voltado ao reaproveitamento de resíduos orgânicos e esgoto como fontes de biogás para geração de energia. Além do Comdes, que reúne 40 entidades da região metropolitana, assinam o documento prefeitura da Capital (Comcap), Casan e Superintendência de Desenvolvimento da Região Metropolitana da Grande Florianópolis (Suderf). Siewert disse que a proposta está em cadastramento na empresa e será analisada pelo setor técnico da Celesc. “Sou um entusiasta desse projeto”, afirmou. A companhia abriu chamada pública para os empreendimentos interessados em propor projetos de geração de energia. As propostas devem ser apresentadas até o dia 5 de janeiro, e o prazo para a escolha da empresa vencedora terminará no final do mesmo mês.

Jaime Ziliotto, representante da Associação Comercial e Industrial de Florianópolis (Acif) no Comdes e coordenador do Conselho, está otimista quanto à implantação da iniciativa. É um projeto piloto que poderá ser aplicado em outras regiões de Santa Catarina após a Capital”, afirma Ziliotto.

O engenheiro Aloísio Pereira, da Suderf, explica que a proposta segue duas linhas, a primeira prevê a construção de sistema de geração de eletricidade na estação de tratamento de esgoto de Canavieiras, localizada em Canasvieiras. A segunda propõe a implantação de planta geradora de eletricidade por meio de biogás procedente dos resíduos sólidos orgânicos da coleta urbana de lixo no norte da Ilha.

Outro ponto proposto pela iniciativa é descentralizar a disposição final do lixo, com a criação de três locais para receptação, no Centro e nas regiões norte e sul da Ilha. Pereira diz que apenas ao melhorar a logística da coleta de resíduos na Capital, a Comcap já economizaria 30% do que gasta hoje ao recolher o lixo.

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Florianópolis, Lidomar Bison, que participou da reunião com a Celesc, ressalta que há consenso entre os órgãos e entidades parceiras quanto à importância da implantação do projeto. “Agora vamos aguardar o resultado da abertura da concorrência pública para a viabilização da proposta”, afirma.

Apenas na Capital, enquanto a população cresceu 28,91% de 2002 a 2014, a produção de resíduos passou de 115.431 para 192.190 toneladas, ou seja, subiu 66,5% no mesmo período, conforme números da Comcap. O engenheiro civil e ex-presidente da companhia Marius Bagnati ressalta que o destino do lixo na Grande Florianópolis, o aterro sanitário de Biguaçu, deveria absorver apenas os materiais que não podem ser reaproveitados, no entanto, eles representam hoje apenas 16% de todo o volume levado para o local. Ele também explica que a Comcap recicla atualmente apenas 7% do lixo e que, se reaproveitasse mais, não teria para onde levar o restante.



Notícias Relacionadas




Comente no Facebook

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira inclui a possibilidade de se penalizar blogs e sites pelo conteúdo publicado, mesmo comentários de terceiros. Portanto, a Associação FloripAmanhã se reserva o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos diferentes do tratado no site também poderão ser eliminados. Queremos manter um espaço coletivo de debates em torno de ideias. Façamos bom proveito para o melhor de nossa cidade.