Arquitetos debatem projeto do Jardim Botânico de Florianópolis
23/02/2011
Reunião ampliada discute Transporte Marítimo na grande Florianópolis
24/02/2011

Portal reúne informações sobre biodiversidade marinha de Santa Catarina

Maior produtor nacional de pescado, Santa Catarina tem o mar como elemento central de sua história, cultura e economia. O Estado é também pioneiro nos estudos sobre a biodiversidade marinha, com pesquisas realizadas desde o século XIX pelo naturalista Fritz Müller. Além disso, Santa Catarina representa o limite sul de distribuição da fauna e flora marinha tropical do Oceano Atlântico e seu litoral pode se tornar um “termômetro” dos impactos e mudanças climáticas.

Levando em conta estas questões, uma equipe de professores e estudantes da UFSC desenvolve o projeto Biodiversidade Marinha do Estado de Santa Catarina. A iniciativa tem apoio da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo e recursos da Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica do Estado de Santa Catarina (Fapesc). O trabalho integra a Rede SISBIOTA-Mar (Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha), direcionada a ampliar o conhecimento sobre a biodiversidade brasileira

Sintetizar o conhecimento sobre a biodiversidade marinha de Santa Catarina e obter novos dados estão entre os objetivos do projeto da UFSC. Dados preliminares sobre espécies de esponjas e cnidários estão disponibilizados no Portal da Biodiversidade Marinha do Estado de Santa Catarina (www.biodiversidade.ufsc.br).

De acordo com o coordenador do projeto, o professor do Departamento de Ecologia e Zoologia da UFSC, Alberto Lindner, no período de 2010-2011 o trabalho será focado nos animais marinhos mais simples, dos filos Porífera (esponjas) e Cnidária (corais, anêmonas e águas-vivas).

Na primeira versão do portal estão disponíveis as listas de espécies de esponjas e cnidários do Estado de Santa Catarina, compiladas com o apoio de alunos de graduação da UFSC e dos doutorandos João Luís Carraro, da UFRGS, e Sérgio Stampar, da USP. Para as esponjas já estão também disponibilizadas fichas de identificação, com descrição morfológica, espécies similares, distribuição, registro em Santa Catarina, taxonomia e referências bibliográficas.

Lindner explica que integram o portal somente informações presentes na bibliografia científica. “Não basta uma pessoa nos dizer que viu uma esponja em determinado local”, explica. Segundo ele, novos relatos sobre organismos marinhos são valiosíssimos, mas para integrar o portal o desafio da equipe é compilar literatura primária confiável, organizando as informações na internet para que possam ser acessadas de maneira simples por outros pesquisadores e também pelo público em geral.

“As listas estão entre os mais importantes componentes do portal e esperamos colaborar para um salto na acessibilidade a estes dados”, destaca o professor. Algumas fichas já disponibilizadas para esponjas fazem link com o Ocean Biogeographic Information System (OBIS), que indica a distribuição da espécie no mundo.
Tropicalização da fauna e flora marinha

O portal colorido com imagens de esponjas, medusas, corais e peixes alerta para a importância do conhecimento e monitoramento da fauna e flora marinha de Santa Catarina. Logo na página de abertura a equipe destaca que modelos climáticos projetam um acréscimo entre 2°C e 7°C na temperatura dos oceanos até 2100. Como no Brasil o litoral do estado de Santa Catarina representa o limite sul de distribuição da fauna e flora marinha tropical do Oceano Atlântico, pode ser uma das primeiras áreas no Atlântico onde os potenciais impactos do aquecimento global poderão ser detectados em organismos marinhos.

“Uma possível consequência que poderá ser observada nas próximas décadas em Santa Catarina é uma maior tropicalização da fauna e flora marinha do sul do Brasil, o que faz de Santa Catarina um laboratório natural para se monitorar e descrever respostas ecológicas aos impactos antrópicos”, ressalta a equipe.

Independentemente das projeções para os próximos 100 anos, complementa o grupo formado por professores, estudantes de graduação e pós-graduação, é fundamental descrever em detalhe a biodiversidade de organismos marinhos recifais em Santa Catarina, o que pode proporcionar condições mínimas para previsões e modelos estruturados de cenários futuros. “O levantamento taxonômico e o monitoramento da costa é muito importante e se tornou um assunto de interesse da comunidade científica internacional”, destaca o professor.

O projeto Biodiversidade Marinha do Estado de Santa Catarina apoia também uma dissertação de mestrado que investiga a biodiversidade e a distribuição de corais na Reserva Biológica Marinha do Arvoredo, em Santa Catarina.

O Sistema Nacional de Pesquisa em Biodiversidade (Sisbiota-Brasil) é uma iniciativa conjunta entre os ministérios da Ciência e Tecnologia, da Educação e do Meio Ambiente, do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e de 18 fundações de amparo à pesquisa estaduais. Na UFSC é coordenado pelo professor Sérgio R. Floeter, também do Departamento de Ecologia e Zoologia, e integra pesquisadores de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Pernambuco e Ceará.

Mais informações www.biodiversidade.ufsc.br / Alberto Lindner / (48) 3721-9460 / Esta imagem contém um endereço de e-mail. É uma imagem de modo que spam não pode colher.

(Por Arley Reis, Agecom/UFSC, 22/02/2011)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *