Programa que seleciona negócios de impacto para expansão global será lançado em Florianópolis
20/03/2019
Empresários cobram revitalização do Centro Histórico de Florianópolis
20/03/2019

Mato alto, goteiras e pichações causam má impressão no campus da UFSC

Os alunos da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) retornaram às aulas no último dia 11 de março e se depararam com situações que revelam a dificuldade de manutenção do campus localizado no bairro Trindade. Mato alto, lixo acumulado, goteiras provenientes de aparelhos de ar condicionado, pichações, entre outros problemas que já são considerados crônicos pela comunidade acadêmica, já se integraram a rotina dos universitários.

Tanto que muito dos problemas são encarados com normalidade pelos acadêmicos, acostumados com as dificuldades enfrentadas pela UFSC nos últimos anos. “Não sei se é falta de zelo ou falta de dinheiro mesmo”, explica o estudante de Engenharia Eletrônica, Thiago Motta. O mato alto em frente a alguns blocos é o problema mais percebido pelos estudantes no retorno às aulas. “Mas estão cortando”, adverte o estudante de Engenharia Mecânica, Mateus Carvalho.

O Centro de Desportos é o exemplo mais forte desse cenário. Localizado ao lado de um terreno que será utilizado na duplicação da rua deputado Antonio Edu Vieira, o bloco está cercado pela vegetação. O mato também cresceu em volta do prédio de Engenharia de Produção e Sistemas e do Centro de Convivência do Centro Tecnológico e de alguns dos vários pontos de estacionamentos do campus.

(Confira matéria completa em ND, 20/03/2019)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *