Funcionários a serviço da Prefeitura de Florianópolis são flagrados despejando água suja no mar; VÍDEO
24/01/2019
Fiscalização em restaurantes do Centro de Florianópolis notifica 58 em três dias por inadequações envolvendo caixa de gordura
24/01/2019

Crianças fazem intercâmbio de comunidades na piscina da Passarela Nego Quiridu

— Não pode numa ilha, cheia de rios e de lagoas, essa garotada não saber nadar. É até perigoso — questiona o professor de natação Carlos Camargo, um medalhista olímpico que está ensinando o esporte para 200 crianças de comunidades carentes de Florianópolis na Passarela Nego Quiridu; tudo de forma voluntária.

São meninos e meninas de 7 a 14 anos vindos da Costeira do Pirajubaé, Horário, Mariquinha, Mocotó, Monte Verde, Morro da Caixa, Vila União o e Tapera. Todos devidamente matriculados na escola. Tem também alunos da cidade vizinha São José. Lá, eles aprendem os conceitos de natação, stand up paddle e também recebem alimentação. Ainda existem cerca de 50 vagas disponíveis.

— Na primeira semana chegou até a dar briga entre as crianças. Mas eles começam a se adaptar e acabou o bairrismo. Hoje a criança da Vila União está vivendo a infância com a criança do Mocotó, o que numa roda da comunidade seria algo inviável pela grande briga de facção que a gente tem aqui. Então as crianças estão vivendo um momento diferente — destacou o secretário de Esporte, Cultura e Lazer, Ed Pereira.

— Nós estamos mudando hábitos das crianças, e isso não é de uma hora pra outra. A cada aula, nós somos testados — destaca o professor Carlos.

E não é qualquer professor. Carlos Camargo treinou o Fernando Sherer, o Xuxa, e com ele conquistou um ouro olímpico e um mundial. Hoje ele é o presidente da Federação Aquática de Santa Catarina e busca novos talentos na piscina pública.

“Nós vamos conseguir”

Entre as alunas do professor, estão as amigas Cailany Pereira, de 14 anos, Letícia dos Santos (13), Iasmin Barros e Manoela Santos, (12), de Potecas, em São José. Elas já fazem atividades esportivas na Passarela de Férias e, na segunda-feira (21), foi a primeira vez que caíram na água. Só que nenhuma sabe nadar. Ainda.

— Está difícil, mas nós vamos conseguir _ garantiu a Cailany, que não tirava o colete salva-vidas por nada.

Segundo o secretário Ed Pereira, a ideia inicial era deixar a piscina livre para a molecada, mas preferiram investir na natação, um esporte que requer preparo e disciplina. Das 16h às 18h, eles podem brincar à vontade.

O projeto, por enquanto, será apenas durante as férias escolares. A intenção da prefeitura é levar as atividades para todo o ano de 2019. O professor Carlos vai além:

_ Você tem pescador que pode aprender a nadar, a Guarda Municipal e a PM, que podem fazer trabalho físico, tem os funcionários da prefeitura. Isso aqui é saúde e vai dar mais produtividades para todo mundo — sugere.

Além das atividades na piscina, são oferecidos aos moleques outros esportes como basquete, capoeira, boxe, ciclismo, tae-kwon-do, karatê, tênis de mesa, futsal e futevôlei.

As vagas são limitadas e as informações podem ser obtidas diretamente na Passarela do Samba ou pelo telefone: 3324-1415.

(Hora de Santa Catarina, 23/01/2019)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *