Florianópolis terminará mais um ano sem a regulamentação do transporte por aplicativos
12/11/2018
VII Circuito de Habitats de Inovação e Empreendedorismo
12/11/2018

Órgãos divergem sobre qual modal poderá utilizar a terceira pista da Via Expressa

Ainda em construção, a terceira pista da Via Expressa (BR-282) já está no centro de uma polêmica: qual modal utilizará a nova via depois de pronta? Enquanto o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), órgão responsável pela rodovia federal, defende um corredor exclusivo para ônibus, motos e veículos de emergência, a Suderf (Superintendência de Desenvolvimento da Região Metropolitana da Grande Florianópolis) acredita que um corredor exclusivo para o transporte coletivo seja a melhor solução. Já para José Leles de Souza, doutor em engenharias de transportes, a melhor maneira de aliviar o caos na Via Expressa é transformar a terceira pista em corredor preferencial, e não exclusivo, para os ônibus.

A construção da terceira pista, que começou em setembro, tem prazo de um ano para ser concluída, mas a empresa que venceu a licitação, Britagem Vogelsanger, prevê terminar em dez meses. O custo da obra é de R$ 26 milhões. “Quando é algo preferencial, você não tem tanto ganho, tanta melhora de qualidade no transporte, porque as pessoas não vão sentir aquela importância de migrar para o transporte coletivo. Então daqui a pouco vai ficar a mesma situação de caos que temos hoje”, diz o superintendente do Dnit/SC, Ronaldo Carioni Barbosa.

(Confira Matéria completa em ND, 12/11/2018)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *