Parque de São Joaquim conclui Plano de Manejo
09/10/2018
Udesc disputa prêmio nacional de educação sobre lixo zero em votação popular na internet
09/10/2018

Postos salva-vidas do Sul da Ilha serão reconstruídos para a temporada

Os quatro postos de salva-vidas incendiados entre os meses de maio a julho deste ano serão reconstruídos em breve, segundo o comandante do GBS (Grupo de Busca e
Salvamento) do Corpo de Bombeiros, capitão Bruno Azevedo Lisboa.

De acordo com o capitão, a unidade do Campeche – que foi incendiada no dia 21 de julho e cujos destroços continuam na areia – será a primeira a ser reconstruída, mas dessa vez será feita de alvenaria.

A construção deve começar ainda neste mês de outubro e custará em torno de R$ 40 mil. “Esse posto já era maior, porém feito de madeira. Agora vamos aproveitar uma parceria público-privada para oferecer uma estrutura melhor e que evita atos de vandalismo”, explica o capitão.

Os outros abrigos que também foram queimados nas praias do Caldeirão, Areias do Campeche e Novo Campeche continuarão sendo feitos em madeira, mas as obras iniciarão mais perto da temporada, possivelmente em novembro para que estejam concluídas em dezembro. “Faremos isso para não ter problemas semelhantes aos que já ocorreram, antes mesmo de a temporada começar”, diz o comandante do GBS.

Conforme o capitão Bruno Azevedo Lisboa, a reconstrução de cada posto custa entre R$ 8 mil e R$ 10 mil, portanto os gastos devem oscilar entre R$ 70 mil e R$ 80 mil.

(Confira Matéria completa em ND, 09/10/2018)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *