O turismo e a cultura preservada
15/10/2018
Temos um sério problema de mobilidade no litoral, diz secretário estadual de Turismo
15/10/2018

Estado e prefeitura ainda não sabem como a Hercílio Luz será usada depois da restauração

A um ano do prazo previsto para a conclusão das obras de recuperação, está indefinido o plano de mobilidade da Ponte Hercílio Luz. Ainda não se sabe como a estrutura será utilizada e falta um cronograma da obras viárias do entorno que deverão ser executadas pela Prefeitura de Florianópolis.

“Estamos finalizando os anteprojetos. Agora vamos apresentar para a população e fazer os detalhes executivos e orçamentos, para então uma quarta fase que seria o processo das obras”, afirma Michel Mittmann, diretor metropolitano do Ipuf (Instituto de Planejamento Urbano e Florianópolis).

No projeto que o Ipuf pretende apresentar no mês que vem a ideia é a priorização de pedestres e ciclistas.

“Estamos prontos para apresentar o plano que é muito mais do que um plano de mobilidade. A ideia é conectar a ponte com as pessoas, começando com pedestres e gradativamente inserir o transporte coletivo incluindo cada vez mais serviços”, diz Mittmannl.

A liberação para o transporte coletivo deve passar por diversas fases, priorizando as linhas já existentes na capital para depois criar novos trajetos até liberar gradativamente o trânsito de ônibus dos municípios vizinhos.

“Não sabemos quanto tempo cada fase irá durar, por exemplo, somente depois de concluída a reaproximação das pessoas com a ponte, através de pedestres e ciclistas será liberado o uso pelo ônibus. A inserção de cada etapa será avaliada a partir do desempenho da anterior ”, diz Mittmann.

O plano de mobilidade é apoiado pela Suderf (Superintendência de Desenvolvimento da Região Metropolitana da Grande Florianópolis) com uma ressalva.

“Achamos que o transporte intermunicipal não deve ficar por último. Todos os catarinenses pagam impostos e devem se beneficiar da ponte e não há porque priorizar Florianópolis, já que 57% das travessias são feitas por moradores de fora da Capital”, diz Célio Sztoltz, diretor técnico da superintendência.

(Confira Matéria completa em ND, 15/10/2018)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *