CCJ aprova PLC que visa integrar o transporte coletivo na Grande Florianópolis
31/10/2018
Aprovado em Florianópolis projeto que obriga colocar placas em obras públicas paradas
31/10/2018

A transformação urbana tem relação com mudança de atitude, afirma especialista

Da Coluna de Fabio Gadotti (ND, 31/10/2018)

Florianópolis recebe hoje (31/10), pela primeira vez, o Smart City Forum Floripa, versão pocket do Smart City Expo de Barcelona. “O ecossistema de inovação e tecnologia da Capital pode contribuir para a solução de problemas da cidade”, diz Roberto Marcelino, organizador do evento, citando como exemplo as áreas de mobilidade urbana e de segurança pública.

O que pesou na decisão de trazer o Smart City Forum para Florianópolis?
Roberto Marcelino– Chama a atenção na Capital catarinense o ecossistema de inovação e a perspectiva que isso traz para o desenvolvimento econômico. Nos anos 1980, por exemplo, Curitiba foi um destaque no Brasil em relação ao Plano Diretor e ao planejamento urbano. Foi uma cidade inovadora e isso repercute até hoje. Florianópolis vem aparecendo com destaque no ranking das cidades mais inteligentes do país. Conversamos com os diversos atores – prefeitura, governo do Estado, Acate, Sapiens Parque – e percebemos a necessidade de mais discussão sobre o tema em função dos problemas como trânsito e segurança pública. O ecossistema de inovação e tecnologia pode contribuir para a solução de problemas da cidade. E isso tem reflexos bem diversos, como a retenção de talentos na cidade.

As cidades estão ficando mais inteligentes?
Roberto Marcelino – É uma discussão nova no Brasil e que passa não só por infraestrutura e sim por um modelo mental. Temos que fazer uma espécie de evangelização e de catequização a partir de exemplos como Barcelona (Espanha), Londres (Inglaterra), Viena (Áustria) e Amsterdã (Holanda). Nesses lugares a transformação urbana tem relação com a mudança de atitude e do jeito que as pessoas vêm a qualidade de vida. É uma tecnologia social, que envolve talentos que pensam na cidade. Florianópolis tem a seu favor a economia criativa.

O foco é sempre a busca por mais qualidade de vida?
Roberto Marcelino – O cidadão começou a perceber como a tecnologia e as grandes ideias podem transformar sua vida para melhor. Ao mesmo tempo, isso pode ser passado para a área pública. Gestores estão percebendo como aplicativos podem ser criados para melhorar a vida do cidadão. São serviços que começam a aparecer para criar interatividade entre os problemas e as cidades. O que as pessoas querem é criar qualidade de vida.

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *