Mapeamento de habitats marinhos e serviços ambientais na zona costeira é tema de palestra nesta sexta
22/08/2018
Decreto regulamenta horário de casas noturnas, bares e restaurantes em Florianópolis
22/08/2018

Na manhã desta terça-feira (21), Prefeitura de Florianópolis, Ministério Público, Polícia Militar e Conselho Comunitário de Segurança (Conseg) realizaram a 90ª força-tarefa DOA (Defesa, Orientação e Apoio às Pessoas em Situação de Rua) com abordagem sob o viaduto da Josué di Bernardi, na divisa com São José. Na ocasião, foram abordadas 13 pessoas e nenhuma aceitou encaminhamentos propostos pela Secretaria de Assistência Social.

A Autarquia de Melhoramentos da Capital Comcap compareceu com equipes de remoção e limpeza pública, caminhões caçamba e grua e minicarregadeira. Foram removidas sete toneladas de resíduos volumosos com o trabalho de três motoristas/operadores e seis auxiliares operacionais. De acordo com a diretora de Operações da Comcap, Nilda Oliveira, dessa vez a quantidade de resíduos foi menor. “Esperamos que a repetição das ações acabe por melhorar o espaço que será, muito em breve, totalmente revitalizado”, disse ela.

Na próxima segunda-feira, 27 de agosto, às 14h, no auditório da Associação dos Municípios da Grande Florianópolis (Granfpolis), em Capoeiras, vai ocorrer uma reunião para tratar da revitalização urbana e eliminação do ponto de descarte irregular no entorno do viaduto da Josué di Bernardi. Será discutido o projeto de recuperação que inclui obras, paisagismo, ação social, educação ambiental, fiscalização e zeladoria urbana.

Poderia ser pior

O promotor de Justiça Daniel Paladino, coordenador da força-tarefa DOA, acompanhou a ação. Segundo ele, já houve progressos sensíveis e o maior é conseguir formar a rede com vários organismos públicos e representativos da sociedade civil para fazer essas atuações constantes. Já são 90 operações.

“Evidentemente que a situação está longe do ideal, mas se não fosse a atuação da rede, a situação estaria muito pior, com certeza”, afirmou.

O grupo mantém ações fixas todas as terças e quintas nas ruas e ações extraordinárias à noite, pelo menos uma vez por mês. Fora isso, durante a semana, são feitas várias reuniões de planejamento das ações.

Pessoas abordadas preferem ficar na rua

Com temperatura em torno de 12 graus, vento e chuva, Sandra Boing Martins, gerente de média complexidade da Secretaria de Assistência Social, cuidou das 13 abordagens feitas sob o viaduto da Josué di Bernardi. Nenhuma das pessoas aceitou ajuda para deixar a situação de rua.

O encaminhamento oferecido pela Assistência Social, informou Sandra, é o Centro POP, na Passarela Nego Quirido, centro de referência especializado em atendimento a pessoas em situação de rua. Dali, podem ser encaminhados para fazer documentos, para a Saúde, para tratamento no Caps, para fazenda terapêutica ou casa de passagem.

“Dentro dos equipamentos há algumas regras, como horário para entrar e sair. Aliás, para viver em sociedade há horários e regras. Eles não aceitam essas regras, na rua estão livres, podem dormir até a hora que quiserem, usam o crack, a bebida e lá dentro não podem usar”, comenta Sandra sobre os motivos da recusa por encaminhamentos oferecidos pelo poder público.

De acordo com o vice-presidente do Conseg Centro, Rodrigo Marques, conselheiro da CDL de Florianópolis, que acompanhou a operação sob o viaduto da Josué di Bernardi, hoje são 500 pessoas em situação de rua em Florianópolis e na temporada chega a 800.

Avanços no atendimento público

“Para nossa tristeza, por conta do crack, que é uma droga muito utilizada por essa população, as pessoas não querem assistência. Muitas vezes, a própria sociedade ajuda a condição dessas pessoas estarem na rua, ao dar esmola, barracas, roupas, sopa, comida durante à noite. Muito embora seja uma ação solidária, humanitária, lamentavelmente atrapalha o nosso trabalho porque as pessoas deixam de procurar ou aceitar os serviços oferecidos pelo poder público”, disse ele.

O Conseg reconhece o esforço da municipalidade no atendimento às pessoas em situação de rua. A Secretaria de Assistência Social, apontou Marques, está aumentando 40 vagas para masculino e 30 para feminino, além do albergue da General Bittencourt. O ponto de apoio na Passarela Nego Quirido agora vai funcionar direto e a alimentação preparada por voluntários será servida, de forma inédita, também aos sábados e domingos. Também já foram concedidas 95 passagens a pessoas que queriam voltar para suas cidades onde poderiam restabelecer laços familiares.

(PMF, 21/08/2018)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *