Aterros sucessivos mudaram perfil da região da Prainha
27/08/2018
Gastronomia: um dos pontos fortes do turismo de Florianópolis
27/08/2018

Moradores de Jurerê Internacional estão insatisfeitos com serviço de água e esgoto

Mais do que discutir a regularização contratual do serviço de água e esgoto em Jurerê Internacional, a audiência pública promovida pela Prefeitura de Florianópolis na última terça-feira (21) revelou a insatisfação dos moradores do mais badalado bairro da Capital. Organizados através da Ajin (Associação dos Moradores de Jurerê Internacional), eles querem a universalização da rede de saneamento básico e o fornecimento de água de qualidade, independente de quem tenha a concessão do serviço no futuro. Desde a fundação do bairro, na década de 1980, o SAE (Serviço de Água e Esgoto) é responsável pelo sistema autônomo.

A arquiteta Fernanda Sampaio, moradora de Jurerê Internacional, expôs o problema publicamente. Ela convidou os engenheiros do grupo Habitasul a visitar sua casa, onde o esgoto corre a céu aberto sempre que a fossa séptica é inundada pelas águas do lençol freático, localizado a menos de 1,5 metro da superfície.

“Como arquiteta, ainda não consegui encontrar uma solução para o problema. Isso é inviável para um lugar que se chama Jurerê Internacional e que já foi capa do New York Times”, relatou Fernanda, que vive no bairro há 14 anos, mas ainda se sente como estivesse na Zona Leste de São Paulo, conhecida pelos constantes alagamentos. Depois de refazer a calçada da garagem por duas vezes, a arquiteta conseguiu a garantia da visita dos técnicos para sexta-feira (25).

Como morador, o aviador Mark de Mattos também se pronunciou durante a audiência pública, favorável à adoção de medidas de responsabilidade da prefeitura. “Oitenta por cento do bairro é obrigado a ter fossa. Eu não posso aceitar que moro em um bairro como Jurerê e tenho esgoto de favela. Depois de 36 anos, não fizeram nada. Até quando vamos esperar por isso?”, questionou.

Moradora há três anos, Eleonora de Melo também demonstrou sua preocupação. “Acompanhamos a Ajin na discussão dos problemas do nosso bairro. Isso é cidadania. Pode ser que, em 1981, esse sistema tenha sido solução, mas agora a gente precisa evoluir”, destacou.  O morador Paulo Roberto Ramos sintetizou as reinvindicações da comunidade. “Queremos água que não seja de reuso e que não haja mais fossas em um bairro como Jurerê”, reforçou.

Ajin pode entrar na Justiça

A Ajin não descarta judicializar a concessão dos serviços de água e esgoto se a Prefeitura de Florianópolis não tomar medidas responsáveis. Um dos pedidos da entidade é que o município suspenda autorizações de construção no bairro até que o problema seja resolvido.

A preocupação maior é com o crescimento do bairro. Cinco prédios, de até cinco pavimentos, estão em construção e representarão um acréscimo de 5.000 pessoas entre ocupação residencial e comercial. “Tanto a estação de tratamento de água como a de tratamento de esgoto tem capacidade instalada muito próxima da demanda”, alertou o diretor jurídico da Ajin, Luiz Carlos Zucco.

(Confira Matéria completa em ND, 27/08/2018)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *