Prefeitura firma convênio para proteção de animais vítimas de maus tratos
13/07/2018
Ecovoluntariado atrai turistas para Florianópolis
13/07/2018

Gean Loureiro assina decreto que permite obras em 39 mil terrenos da marinha, na Capital

A vida vai continuar para moradores de 39 mil imóveis de Florianópolis, atingidos pelo processo de demarcação de terrenos de marinha. Nesta quinta-feira (12), o prefeito Gean Loureiro assinou o decreto municipal 18.744, que trata sobre o licenciamento dos terrenos e permite reformas e construção em áreas que ainda não foram homologadas pela SPU (Secretaria de Patrimônio da União).

O decreto foi assinado com a presença de líderes comunitários dos bairros Carianos e Daniela, duas das localidades mais afetadas pela linha de preamar média do ano de 1831, utilizada pela SPU para definir se os imóveis são considerados terrenos de marinha ou não. “Desde a aprovação do último Plano Diretor, a prefeitura, por cautela, não autorizava construções nesses imóveis. É um passo importante, porque a cidade precisa continuar”, explicou o advogado João Manoel Nascimento, também proprietário de imóvel na praia da Daniela.

De acordo com o representante da comissão de Direito Imobiliário da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Daniel Barcellos Junqueira, o decreto representa avanço, pois corrige um equívoco do Plano Diretor. “Havia uma confusão, pois misturava a questão ambiental, onde não é permitido construir, com aspectos de terreno de marinha”, relatou.

Gean destacou o estudo realizado pelo município para elaboração do decreto, para evitar embróglios jurídicos no futuro. “Estamos muito seguros do ponto de vista jurídico de que isso traz um alento para as famílias. É um sinal de que Poder Público tem um posicionamento político sobre o assunto e um posicionamento jurídico sobre a demarcação de terras de marinha”, afirmou.

Mais do que os 39 mil imóveis não homologados na Ilha de Santa Catarina, o vice-prefeito João Batista Nunes (PSDB) entende que o decreto deverá servir de modelo para outros municípios catarinenses. “Esse decreto restabelece a dignidade das pessoas e servirá para muitas cidades do Estado, onde, certamente, passam de 200 mil pessoas atingidas pela demarcação”, disse.

Decreto para anular demarcação tramita no Congresso Nacional

Um projeto de decreto legislativo que suspende o efeito da demarcação dos terrenos de marinha tramita no Congresso Nacional. A proposta está na mesa do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), mas depende da pressão de lideranças políticas para ser colocada na pauta do dia e ser submetida à votação.

De acordo com o prefeito Gean Loureiro, o decreto legislativo não necessita de sanção do presidente da República e foi a alternativa diferenciada encontrada para tentar resolver o impasse “que assombra milhares de famílias que buscaram ter seus imóveis de boa fé e repentinamente descobriram não ser mais donos”.

O decreto legislativo foi apresentado pelo senador Dario Berger (MDB) e ganhou força após tramitar nas comissões do Senado, com auxílio do senador do Espirito Santo, Ricardo Ferraz. Já na Câmara dos Deputados, a proposta tramitou nas comissões e agora está na mesa de Maia. Como, a curto prazo, a proposta não deve ser colocada para votação, a prefeitura decidiu capitanear o processo envolvendo diversos órgãos do município.

Situação em Florianópolis

42 mil terrenos de marinha em Florianópolis
39 mil não estão homologados
9.904 imóveis estão cadastrados
4.802 imóveis já pagam a cobrança anual na parte insular
1.838 imóveis recebem a cobrança anual na parte continental
R$ 7,5 milhões foram arrecadados pela União em 2016

(ND, 13/07/2018)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *