Casa Rosa deve abrigar espaço cultural aberto ao público, em Florianópolis
12/06/2018
As cidades devem ter visão integrada, afirma especialista portuguesa
12/06/2018

SC pode obter empréstimo de R$ 500 milhões para investir em turismo

Da Coluna de Estela Benetti (NSC, 12/06/2018)

Enfim, um programa de financiamento mais acessível para os setores público e privado investir em turismo, o Prodetur, será lançado na manhã de hoje pelo ministro do Turismo, Vinícius Lummertz, durante o Congresso de Prefeitos, no Centrosul, em Florianópolis. O total de recursos dessa primeira etapa do programa, que será desenvolvido em parceria com o BNDES e bancos regionais, é R$ 5 bilhões. Na avaliação de Lummertz, Santa Catarina pode obter R$ 500 milhões ou mais dessa cifra para projetos públicos e privados do setor. O ministro está animado com a possibilidade de o Estado lançar novos equipamentos turísticos e renovar parte dos atuais, o que garante um novo ciclo de crescimento ao setor.

A instituição parceira do Prodetur + Turismo para a Região Sul será o BRDE, que assinará o acordo nesta terça-feira (12). Também serão liberados hoje R$ 17 milhões da linha Funjetur do BRDE.

Lummertz lembra que o ex-governador Luiz Henrique da Silveira se empenhou muito para que o governo federal lançasse um novo Prodetur porque só o Nordeste tinha conseguido aproveitar bem os programas anteriores. Mas como nunca vinha essa linha de recursos, Luiz Henrique passou a chamar de “Enganatur”. Agora os recursos estão aí e quem apresentar os projetos mais rapidamente vai levar.

Entre os projetos do setor público que vão ajudar mais a chegar em até R$ 500 milhões estão, segundo o ministro, a ampliação da faixa de areia em Balneário Camboriú por R$ 85 milhões, obras viárias com esgoto e ciclovias em Bombinhas no valor de R$ 27,87 milhões, revitalização do calçadão, auditório municipal de Blumenau e Itoupava por R$ 86,8 milhões, mais R$ 84 milhões para a prefeitura de São Francisco do sul fazer revitalização do centro histórico e R$ 4,164 milhões para plano de marina às margens do Rio Canoas, em Abdon Batista. Esses projetos somam R$ 288 milhões.

É importante que, tanto o setor público quanto o setor privado fiquem atentos para obter esses recursos a investimentos porque são acessíveis. Os prazos serão definidos pela instituição financeira. O período de carência não poderá ultrapassar três anos e o prazo para quitar o financiamento será de até 20 anos.

Verbas do ministério

Além de explicar o Prodetur + Turismo, o ministro Vinicius Lummertz vai liberar R$ 6 milhões para a revitalização da via gastronômica de Coqueiros e mais R$ 6 milhões para a rodovia do Parque Sapiens até a praia Brava. Segundo o ministro, é importante que interessados em recursos do Prodetur acelerem projetos. No setor privado, ele cita exemplo de uma rede hoteleira que vai aproveitar essa linha para fazer novo empreendimento.

– O turismo, para se desenvolver, requer inovação, qualificação, investimentos privados e públicos – observa Lummertz.

Projetos regionais

Para impulsionar o turismo, também é possível fazer uma ação regional. Um exemplo, na opinião do ministro Vinicius Lummertz pode ser uma série de melhorias numa região turística, como a Serra catarinense. Iniciativas assim fortalecem destinos turísticos. O Sebrae nacional terá um programa anual com R$ 100 milhões para apoiar o desenvolvimento de regiões turísticas do Brasil. Uma catarinense pode entrar, segundo o ministro. Entre os equipamentos que podem ser revitalizados está a Estação Ferroviária e o parque de Araucárias de Rio Negrinho.

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *