Tratamento de esgoto e balneabilidade de Florianópolis são discutidas em júri simulado no CCJ
18/06/2018
Grupo de Pesquisa Via Estação Conhecimento lança livro sobre Habitats de Inovação
19/06/2018

Empresas podem identificar seus produtos com o selo “Compre de SC”

Comprar produtos catarinenses é sempre a melhor escolha para quem consome e para nosso estado. Comprando produtos daqui as pessoas promovem a sustentabilidade e o crescimento de nossas empresas. Isso gera empregos, fortalece a economia e aumenta a arrecadação. E com mais recursos, o Governo investe mais em saúde, segurança, educação e no desenvolvimento do Estado. Por isso, ao comprar produtos de Santa Catarina, quem mais ganha é o catarinense.

O movimento “Compre de SC”, lançado no último dia 8 de junho pelo governador Eduardo Pinho Moreira, ganha a cada dia mais adesões de entidades, prefeituras, empresários, produtores e também da população.

Como aderir à campanha

Para identificar os produtos catarinenses é possível baixar o selo com a logomarca da campanha “Compre de SC” do site da Secretaria da Fazenda e produzi-lo em gráficas. Além do selo outros materiais estão disponíveis para reprodução, inclusive para colocar em embalagens.

Na internet

Para divulgar produtos e serviços catarinenses é possível fotografar e publicar a foto utilizando CompredeSC ou ainda enviar por mensagem privada para www.instagram.com/CompredeSC

Como saber se os produtos são catarinenses?

Nas embalagens e etiquetas é possível conferir a cidade e o Estado de origem daquele produto.

(Floripa News, 18/06/2018)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *