Mudam normas para construções de calçadas em Florianópolis
02/03/2018
Campanha de financiamento tenta manter roda de samba na escadaria do Rosário
05/03/2018

Projeto catarinense propõe reaproveitar sobras da maricultura e carcinucultura

Da Coluna de Estela Benetti (NSC, 05/03/2018)

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) vê potencial de uso sustentável de sobras da maricultura e carcinicultura (criação de crustáceos) no Brasil. Quem está à frente desse projeto é o engenheiro e doutor em Aquicultura pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Fabrício Nunes, consultor técnico FAO Brasil na Secretaria de Aquicultura e Pesca vinculada ao Ministério do Desenvolvimento (Mdic). Ele está iniciando levantamentos sobre como são usadas conchas de ostras e mariscos em Santa Catarina e sobras de camarões no Nordeste. O objetivo é avaliar o que já existe, como ampliar e indicar novas alternativas de uso sustentável, com parceria de governos, universidades e empresas.

– Santa Catarina concentra toda a produção de ostras do Brasil e boa parte da produção de mexilhões que atende mercados. O Nordeste concentra 95% da produção de camarão cultivado do país. Por isso, o trabalho será focado nessas duas regiões – diz Nunes.

Segundo ele, as conchas de ostras e mexilhões já são usadas com êxito como matérias-primas na construção civil. Um exemplo foi o projeto do calçamento da orla da Beira-mar Norte, em Florianópolis. Na Coreia do Sul também há exemplos positivos, observa o engenheiro. No caso do camarão, é possível extrair diversos produtos biológicos importantes das sobras. Um deles é a quitosana, um dos melhores produtos para limpar mares afetados por petróleo. Mas outros produtos podem ser pesquisados.

Na avaliação de Nunes, há pouca pesquisa nessa área de biologia marinha voltada ao uso comercial. No mundo, 84% das patentes sobre produtos do mar envolvem algas, 3% esponjas, 3% pepinos do mar e 7% outros organismos aquáticos. Este programa da FAO envolve sugestões estudos de viabilidade técnica e ambiental para projetos industriais e outros.

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *