Justiça suspende a demolição de cinco restaurantes na Praia da Joaquina
22/11/2017
Ressaca nas praias de Florianópolis deve durar até dezembro; Defesa Civil faz novas ações
23/11/2017

Moradores relatam falta de segurança e abandono de estacionamento na Joaquina

Moradores da Praia da Joaquina, no Leste da Ilha, em Florianópolis, relatam falta de segurança e o abandono de um estacionamento. O local era explorado comercialmente pela Comcap, mas isso não pôde continuar depois que a companhia virou autarquia, em julho deste ano.

Um mês antes, o estacionamento já estava abandonado e lá ocorrem festas não autorizadas, furto e assaltos, como mostrou o Jornal do Almoço desta quarta-feira (22).

“A maior preocupação sem dúvidas nossa atualmente é segurança. Segurança não só nossa, dos atletas, dos praticantes de esportes, de toda a sociedade que vem para cá curtir a praia”, afirmou o vice-presidente da Associação de Surf da Joaquina, Rafael Malta.

O estacionamento tem espaço para 350 carros. Após a saída da Comcap, é comum encontrar garrafas vazias no local, resultado das festas. O aumento da violência preocupa os moradores.

“A gente tem casa aqui. Todo mundo sabe de assaltos à mão armada agora e anteriormente também. Já vem piorando, a gente sente isso. A constância é maior. A gente está bem assustado”, resumiu o vice-presidente da associação.

Planos
Há atualmente uma movimentação no local, com pintura na guarita, máquinas removendo lixo e demarcações de vagas sendo refeitas. A prefeitura diz ter um plano para a exploração do estacionamento.

“Temos uma empresa que já explora os serviços hoje dentro do município de Florianópolis, possui uma concessão de seis áreas de estacionamento. O contrato prevê a expansão e é dessa forma que estaremos analisando com a Procuradoria [Geral do município] a possibilidade de ela também prestar esse serviço na Joaquina”, afirmou o secretário Municipal de Transporte e Mobilidade Urbana, Marcelo Silva.

A prefeitura também pensou em uma estratégia para caso essa possibilidade não seja viável. “Executaremos um contrato emergencial de 180 dias até que nosso processo licitatório seja feito por parte da administração pública”, disse o secretário.

Em relação a preços, a assessoria da pasta disse que o valor só será definido após o parecer da procuradoria. Porém, não deve ser muito diferente dos praticados anteriormente.

(G1sc, 22/11/2017)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *