Por Assessoria de Comunicação FloripAmanhã

Rede de Monitoramento Cidadão realiza pesquisa de opinião pública em Florianópolis




A Rede de Monitoramento Cidadão de Florianópolis realiza durante todo o mês de setembro, uma pesquisa de opinião pública para entender como os cidadãos percebem o avanço, ou não, do desenvolvimento sustentável da cidade onde moram e quais os temas que consideram mais importantes para o futuro dela.

A pesquisa é uma das principais ações da RMC e além de Florianópolis está sendo executada pela Baobá – Práticas Sustentáveis, agência executora do Projeto Redes de Monitoramento Cidadão, nas cidades de Goiânia (GO), João Pessoa (PB), Palmas (TO) e Vitória (ES).

No último mês, o coordenador geral do Projeto Redes de Monitoramento Cidadão, Fernando Penedo, e a consultora da Baobá, Andiara Caneo, percorreram as cinco cidades do Projeto, onde capacitaram mais de cem pessoas. O grupo, em sua maioria formado por alunos e professores de universidades associadas à RMC, está responsável pela coordenação da pesquisa, realização de entrevistas e digitalização dos dados.

A presidente da FloripAmanhã, Anita Pires, destaca que a RMC é constituída por representantes da sociedade civil, academia, setor produtivo e mídia. Segundo ela, a rede é uma ferramenta para fomentar o protagonismo e o controle social. “O processo de construção de indicadores está finalizado. Foi um aprendizado para as entidades e os dirigentes públicos da prefeitura”, afirmou. “Isso porque a prefeitura não tem a cultura de acompanhar indicadores. A RMC rede tem objetivo de pesquisar indicadores, a prefeitura de oferecer indicadores, alguns tiveram que ser construídos”.

Para Anita, participar da Rede é um processo de “aprendizado”  tanto da sociedade organizada como da prefeitura. “A etapa da pesquisa é muito interessante também pois vai trazer a percepção do cidadão, depois vamos cruzar as duas coisas: os indicadores e o que as pessoas pensam sobre a cidade. É um projeto bastante rico, teremos um evento para passar os resultados para toda a sociedade no dia 30 de novembro”.

A ferramenta de pesquisa permite levantar a opinião dos cidadãos sobre mais de 20 temas relacionados ao desenvolvimento sustentável da cidade e a qualidade de vida de seus moradores. Ao final do questionário, o entrevistado ainda tem a oportunidade de enumerar os problemas que mais afetam a sua qualidade de vida, como serviços de água potável, serviço de coleta de resíduos, ruídos incômodos, emprego e qualidade de moradia. A metodologia possui uma margem de erro pequena e determina que a pesquisa seja realizada nas diferentes regiões da cidade.

“É muito importante para a Rede de Monitoramento Cidadão saber o que as pessoas pensam, para que possa continuar trabalhando, de forma assertiva, pela melhoria da qualidade da vida urbana, apontando para o governo o que realmente é uma prioridade para os moradores da cidade”, ressalta Penedo. “A espacialização da pesquisa possibilita conhecermos as necessidades não só da cidade como um todo, mas das suas diferentes localidades”.



Notícias Relacionadas




Comente no Facebook

comentários

Um comentário para Rede de Monitoramento Cidadão realiza pesquisa de opinião pública em Florianópolis

  1. Emilio Menezes

    Um indicador interessante é numero de reivindicações atendidas dividido pelo total. Outro seria redução do número de reclamações referentes ao desenvolvimento sustentavel em cada bairro.
    Obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira inclui a possibilidade de se penalizar blogs e sites pelo conteúdo publicado, mesmo comentários de terceiros. Portanto, a Associação FloripAmanhã se reserva o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos diferentes do tratado no site também poderão ser eliminados. Queremos manter um espaço coletivo de debates em torno de ideias. Façamos bom proveito para o melhor de nossa cidade.