Comissão debate andamento das obras do contorno viário da Grande Florianópolis
25/05/2017
Restrições para licenças gera polêmica entre pescadores artesanais
25/05/2017

Bairros sem água na Grande Florianópolis devem ter situação normalizada até quinta

Os bairros da Grande Florianópolis que continuam sem água desde o rompimento de uma adutora no domingo (21) devem ter a situação normalizada a partir da madrugada desta quinta-feira (25), afirmou a Casan (Companhia Catarinense de Águas e Saneamento).

Segundo a companhia, a adutora que se rompeu após as chuvas do final de semana, em Santo Amaro da Imperatriz, capta água do rio Pilões, para depois passar pela ETA (Estação de Tratamento de Água) Cubatão. Na noite desta quarta-feira (24), a estação – que também recebe água do rio Cubatão – estava operando com 2.800 litros por segundo, sendo a média comum de 2.500 litros por segundo.

“A operação de conserto da adutora está consolidada e a máquina está toda aberta para abastecer a Grande Florianópolis”, disse a Casan por meio da assessoria de imprensa. Ainda conforme a empresa, a situação ainda não foi normalizada em algumas áreas porque os reservatórios dos imóveis estão abaixo do habitual e há mais dificuldade para a chegada às áreas mais altas.

As últimas regiões que devem receber água, de acordo com a companhia, são as partes mais altas de Biguaçu e São José, e bairros da bacia do Itacorubi, em Florianópolis, entre eles Itacorubi, Trindade, Córrego Grande e Pantanal.

Leia na íntegra em  Notícias do Dia Florianópolis, 24/05/2017.

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *