Clipping

Após 4 anos, Pacto por SC tem 26% das obras concluídas, diz governo




Quatro anos depois do início do programa Pacto por Santa Catarina, criado pelo governo estadual para obras de infraestrutura em áreas como saúde, educação e estradas, 26% dos trabalhos foram concluídos, conforme balanço. Outros 65% estão em andamento e o restante precisa ser licitado. Há trabalhos na Serra e no Oeste atrasados, como mostrou o Bom Dia Santa Catarina desta quinta-feira (16)

Desde que começou, o Pacto por Santa Catarina investiu R$ 11,3 bilhões em obras, informou o governo do estado. De acordo com o secretário de Estado de Planejamento, Murilo Flores, os trabalhos referentes ao Pacto por Santa Catarina precisam terminar até o fim do governo Colombo, em 2018.

Andamento e atrasos

Das obras que fazem parte do programa, 267 estão em andamento no estado. A maioria delas é nas rodovias. Na Serra, por exemplo, há obras na SC-114 em Otacílio Costa e na SC-390 em Campo Belo do Sul.

A mais atrasada é a que fica na Serra do Corvo Branco, na SC-370. Por lá, as obras começaram em 2014, mas ainda não foram concluídas. “Toda vida vão ali e dão uma tapeada e deixam tudo jogado. Nunca vi disso”, disse o morador da região Dorval Antônio Munaretto.

No Oeste, desde 2013 cerca de 194 quilômetros de rodovias estão sendo recuperadas, em sete trechos. Entre elas, está a SC 453, entre Luzerna e Tangará. O prazo para o término dessas rodovias era 2016. Porém, até agora nem a metade ficou pronta. A região tem uma das piores malhas viárias do estado.

O secretário de Estado do Planejamento explicou que o atraso na maior parte das obras que integram o Pacto ocorreu por conta da burocracia, problemas em projetos e com empresas responsáveis pela execução dos trabalhos.

“Então a nossa grande questão neste ano de 2017 e início de 2018, é fazer com que terminem de fato. Porque não só a população fica privada daquele patrimônio, como também teríamos problemas com os agentes financeiros que estão financiando as obras”, disse Murilo Flores.

Saúde

A saúde também é um desafio para o programa. São mais de 50 ações para ampliar e reformar hospitais e unidades de saúde em todo estado. Em Lages, na Serra, o Hospital Tereza Ramos está com 65% da obra pronta.

Em Joinville, no Norte, umas das promessas ainda está em obras: a ampliação da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) neonatal e da ala psiquiátrica, tudo no Hospital Infantil. Entretanto, o prazo inicial de entrega dessas duas obras já venceu há mais de um ano.

O investimento é de R$ 13 milhões. Os trabalhos começaram em janeiro de 2015. O governo prometeu entregar 13 novos leitos na UTI neonatal até setembro daquele ano. Atualmente, há sete e estão sempre ocupados.

A ala psiquiátrica infantil precisava ter sido entregue em dezembro de 2015, com 10 novas vagas. Atualmente, no estado todo, há quatro leitos desse tipo, todos em Joinville.

“A gente não imaginou que fazer uma obra com hospital em pleno funcionamento fosse dar tantos transtornos. E outros problemas técnicos que, como é reforma, a gente não prevê que vai acontecer. A gente teve algumas surpresas que acabaram atrasando a obra”, disse a diretora-executiva do Hospital Infantil, Estela Mari Galvan Cuchi. A expectativa é de que tudo esteja pronto até a metade deste ano.

(G1 Santa Catarina, 16/02/2017)



Notícias Relacionadas




Comente no Facebook

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira inclui a possibilidade de se penalizar blogs e sites pelo conteúdo publicado, mesmo comentários de terceiros. Portanto, a Associação FloripAmanhã se reserva o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos diferentes do tratado no site também poderão ser eliminados. Queremos manter um espaço coletivo de debates em torno de ideias. Façamos bom proveito para o melhor de nossa cidade.