Espécies de peixe ameaçadas de extinção são vendidas ilegalmente no RS e em SC
20/12/2016
Com proposta de 13º salário parcelado, servidores do Hospital Caridade entram em greve
21/12/2016

Falta de ciclovia na SC-401 cria uma geração de órfãos em Florianópolis

Órfão da rodovia SC-401, em Florianópolis, o estudante Elias Coelho percorre todos os dias o mesmo trajeto onde o seu pai foi atropelado de bicicleta há sete anos. Na época, ele tinha apenas nove anos. Hoje, aos 17, ele utiliza a ciclofaixa improvisada no acostamento no bairro Canasvieiras. A mesma ciclofaixa onde o jornalista Roger Bittencourt, 49, e a funcionária de um restaurante Simoni Bridi, 28, perderam a vida, respectivamente, nos dias 27 de dezembro de 2015 e 24 de janeiro de 2016. Eles também deixaram filhos. A solução para dar maior segurança à rodovia está na implantação do BRT, que prevê ciclovia nos 19 quilômetros do trecho Norte da SC-401.

Elias faz o trajeto do bairro Vargem Grande até a escola no bairro Canasvieiras. O seu pai, Lélio Calandrin Pyestrowski Coelho, morreu no acostamento quando voltava de bicicleta do supermercado. “Ele foi atropelado por um caminhão, em mais uma imprudência no trânsito. Ele tinha 48 anos e muita coisa para ensinar a mim e aos meus irmãos, mas o sonho acabou naquele mês de março de 2009. Agora procuro ter todo o tipo de cuidado, utilizando refletores à noite e muito atento aos veículos, mas só a ciclofaixa ainda não é a ideal”, diz o jovem.

Sem acostamentos em alguns pontos da rodovia, o ciclista ou pedestre coloca a vida em risco em uma das mais movimentadas rodovias estaduais do Estado. O pior é que a SC-401 é bastante procurada para realização de provas e treinamentos.

Para o conselheiro da União dos Ciclistas do Brasil, Fernando Faga Pacheco, o problema começa na execução da obra. “Existe uma diferença entre ciclofaixa e ciclovia. A população paga por um e recebe o outro. Além disso, a gente só vê investimentos para os meios de transporte e a população que se desloca a pé ou de bicicleta não tem espaço apropriado para circular. Eu tenho muito medo de pedalar no trecho Norte da SC-401”, dispara.

Ambulante pensou que seria tranqüilo na madrugada

Aos 36 anos, o ambulante Eduardo Gonçalves Dias vai trabalhar em Canasvieiras nesta temporada. Ele deixou a sua casa no bairro Trindade e vai morar num camping no Norte da Ilha. Para ter um meio de deslocamento mais eficiente, ele optou por trazer a bicicleta pedalando.

Leia na íntegra em Notícias do Dia Florianópolis, 21/12/2016.

mm
Assessoria de Comunicação FloripAmanhã
A Assessoria de Comunicação da FloripAmanhã é responsável pela produção de conteúdo original para o site, newsletters e redes sociais da Associação. Também realiza contatos e atende demandas da imprensa. Está a cargo da Infomídia Comunicação e Marketing Digital. Contatos através do email imprensa@floripamanha.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *