Clipping

Casan envia nota de esclarecimento sobre saneamento em Florianópolis 




(Por Rafael Martini, Diário Catarinense, 19/10/2016)

A Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan) enviou uma nota a fim de esclarecer fatos divulgados em meio ao debate eleitoral de Florianópolis.

Leia abaixo a nota de esclarecimento:

- As redes de esgoto já implantadas nos bairros Cacupé, Sambaqui e Santo Antônio de Lisboa ainda não dispõem de Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) devido a impasses jurídicos criados por pleitos das próprias comunidades, que na época se posicionaram contrárias à construção. No Sul da Ilha, a não efetivação da estação deve-se ao debate entre ambientalistas e líderes da comunidade local, que divergiram entre as soluções para destino final do efluente tratado, via emissário submarino ou lançamento em rio.

- Uma concorrência internacional foi lançada no dia 10 deste mês, no valor de R$ 80,5 milhões, para executar todo o Sistema de Esgotamento Sanitário (SES) dos bairros Saco Grande, João Paulo e Monte Verde. O investimento permitirá também a conexão da rede existente em Cacupé, Sambaqui e Santo Antônio à futura estação. No dia 11 de novembro serão entregues as propostas das empresas interessadas.

- A Casan já tem contrato para executar a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Rio Tavares, que dará um destino final à primeira etapa da rede já implantada no Campeche. A empresa Infracon, de Minas Gerais, vencedora da licitação com a proposta de R$ 34,6 milhões, deve começar a obra no mais tardar em novembro.

- Todo o Sistema de Esgotamento Sanitário (SES) dos Ingleses e do Santinho já foi licitado, no valor de R$ 89,8 milhões. Neste momento a empresa avalia tecnicamente as propostas de preços. A Ordem de Serviço deve ser assinada ainda em 2016.

- O Sistema de Esgotamento Sanitário (SES) da parte Continental de Florianópolis está em fase de conclusão, deixando a região com 98% de cobertura de esgoto tratado já a partir deste Verão.

- Ainda em novembro será lançada a licitação para duplicar a capacidade de tratamento da Estação Insular, localizada ao lado da Rodoviária. A obra, orçada em R$ 66 milhões, permitirá ampliar a rede coletora para a Bacia do Itacorubi, beneficiando ainda os bairros José Mendes, Parque São Jorge, Córrego Grande e Pantanal.

- Todas as novas estações de tratamento de esgoto da Casan terão tratamento terciário, considerado o mais eficiente do mundo, pois além da matéria orgânica remove também fósforo e nitrogênio.

- A Capital do Estado conta atualmente com 56% de cobertura de esgoto e estará com 74% até o final de 2018. Para que isso seja possível a Casan está investindo um total de R$ 372 milhões exclusivamente em Florianópolis. Este montante - assegurado via financiamentos junto à agência japonesa JICA, ao BNDES, à Caixa Federal e ao Orçamento Geral da União - representa o maior valor em esgotamento sanitário empregado numa única cidade no país no momento.

A Companhia está divulgando Informativo com todas as ações em execução desde o início do ano para auxiliar no processo de despoluição do Norte da Ilha. Poluído há mais de 35 anos, conforme registrava a imprensa da época e reiterado à página 12 do jornal Diário Catarinense de 4 de janeiro deste ano, o Rio do Braz está recebendo uma atenção especial da Casan, como a ampliação da estação de tratamento em mais 100 litros por segundo para absorver, basicamente, a água da chuva oriunda de ligações irregulares, um investimento de R$ 8 milhões.

O folder lembra que para melhorar a balneabilidade de uma praia são necessários, de forma indispensável, três requisitos:

1) a rede de coleta e tratamento de esgoto, que é responsabilidade da Casan;

2) a correta ligação das residências à rede de esgoto, uma responsabilidade dos cidadãos;

3) e um adequado sistema de macrodrenagem das águas de chuva, uma responsabilidade da Prefeitura.

Infelizmente, há muitas décadas as praias do município não apresentam 100% de balneabilidade. A balneabilidade de Florianópolis é impactada pelo crescimento populacional e especialmente pela influência das chuvas, cuja água é carreada para a praia pela rede de drenagem (quando ela existe) ou pelo leito das próprias vias em direção à areia quando não há um sistema adequado de macrodrenagem, como ocorre em Canasvieiras e Cachoeira do Bom Jesus.

 



Notícias Relacionadas




Comente no Facebook

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira inclui a possibilidade de se penalizar blogs e sites pelo conteúdo publicado, mesmo comentários de terceiros. Portanto, a Associação FloripAmanhã se reserva o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos diferentes do tratado no site também poderão ser eliminados. Queremos manter um espaço coletivo de debates em torno de ideias. Façamos bom proveito para o melhor de nossa cidade.