A facada dos impostos
23/02/2015
Número de praias impróprias para banho aumenta em Florianópolis
23/02/2015

Quantos cabem na Ilha?

( Da coluna de Sérgio da Costa Ramos, DC, 22/02/2015)

A Ilha de Santorini, principal estrela do arquipélago das Cíclades, no mar Egeu, emerge das águas cristalinas na forma de anéis que não se fecham.

Constitui a borda de um vulcão submerso, cuja milenar inatividade dá ao homem a certeza de conviver com segurança numa natureza bela e pacificada.

A simples visão da ilha, em duas meias-luas de terra que se projetam acima do mar translúcido – o fundo do mar visível do alto da vila, Théra, a 366 metros de altura –, seduz a retina do turista mais exigente, tudo sob o sol inigualável da Grécia.

Essa ilhota de sonho oferece também alguns exemplos inestimáveis para quem quer organizar o turismo. Em primeiro lugar, parte do pressuposto de que o lugar tem uma capacidade limitada de receber visitantes – e não é do tipo coração de mãe, onde sempre cabe mais alguns milhares.

Com 12 quilômetros de extensão por quatro de largura no seu quadril, a ilha é quatro vezes menor que a de Santa Catarina. Por trás dessa modéstia, esconde tesouros arqueológicos, aquedutos, antigas termas greco-romanas, acrópoles, inscrições rupestres e um riquíssimo artesanato milenar – tudo absolutamente intocado.

A infraestrutura de turismo é tão interessante quanto a sua história. Registrados, existem pouco mais de 30 hotéis. Mas toda casinha branca da ilha é um hotel, todos os moradores alugam cômodos – e assim complementam sua renda.

Num platô do seu topo, aeroporto, bancos, central telefônica, hospitais, restaurantes e pousadas. Ao nível do mar, seis praias, 10 marinas e dois portos – que recebem até seis navios por dia.

No alto da escarpa rochosa, 13 vilas, comércio internacional, centenas de restaurantes típicos, boates e butiques de primeiríssimo mundo.

O trânsito de veículos é limitado, as ruas estão sempre cheias de pedestres. E todos parecem felizes – anfitriões e visitantes. O segredo maior é o manejo do público que entra. Em reconhecimento à capacidade de lotação da ilha.

A partir de determinado número de ancoragens, um transatlântico só é autorizado a lançar ferros se outro levanta a sua âncora – o que exige controle, fiscalização e uma sintonia fina de horários.

Claro que o exemplo de Santorini não se aplicaria a Floripa. Mas o conceito, sim. Conciliar infraestrutura e população flutuante. Afinal, as autoridades precisam saber quantas pessoas cabem na ilha ao mesmo tempo durante a alta temporada.

mm
Assessoria de Comunicação FloripAmanhã
A Assessoria de Comunicação da FloripAmanhã é responsável pela produção de conteúdo original para o site, newsletters e redes sociais da Associação. Também realiza contatos e atende demandas da imprensa. Está a cargo da Infomídia Comunicação e Marketing Digital. Contatos através do email imprensa@floripamanha.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *