“Incorreções” do Plano Diretor e “uma página virada”
06/01/2014
Aumento do IPTU poderá chegar a 82,49% para alguns moradores de Florianópolis
06/01/2014

Decálogo para melhorar o turismo

Por Moacir Pereira DC, 06/01/2014)

Encontros, seminários e congressos de turismo é o que não faltam em Santa Catarina. E todos eles com apoio financeiro do governo do Estado e de instituições públicas. Na prática, contudo, os resultados têm sido frustrantes. Ideias simples para melhorar o setor:

1. O turismo só funciona bem quando é bom para a população local. Ela precisa ser a maior beneficiária;

2. Hotéis e pousadas só funcionam com licença municipal. Com casas e apartamentos para alugar deveria ser idêntico. Com licenças, acaba-se com os abusos. E evita-se esta vergonha do cara de bermuda com chave na mão oferecendo locação;

3. A entrada de ônibus de turismo precisa ser regulamentada, como ocorre em Balneário Camboriú. Motorhomes e semelhantes, só em espaços específicos. Evitaria a bagunça;

4. Proibição total de botecos improvisados, que nem pagam impostos, vendendo alimentos sem controle sanitário;

5. Avaliação do consumo de água e luz para programar expansão dos sistemas na temporada seguinte;

6. Multas exemplares aos comerciantes inescrupulosos que oxigenam a inflação com aumentos abusivos de preços;

7. Punição aos motoristas irresponsáveis que cometem graves infrações no acesso as praias. Nada de radar só para arrecadar;

8. Proibir, terminantemente, estacionamento duplo nas vias centrais dos balneários, facilitando o trânsito de veículos;

9. Punição a todos os que abusarem da lei do silêncio, com detenção dos reincidentes;

10. Demissão sumária dos administradores incompetentes.


Falta água, luz e…competência

Por Moacir Pereira DC, 05/01/2014)

As principais cidades balneárias do litoral catarinense precisam decidir: ou se preparam para as festas de fim de ano ou que deixem de fazer promoções para atrair mais turistas. Impossível é continuar esta sucessão de falhas, equívocos e alguma incompetência na prestação de serviços públicos essenciais.

Todo ano é a mesma ladainha da falta de água, da falta de luz, dos serviços que não funcionam, dos assaltos de comerciantes inescrupulosos e da total falta de mobilidade, como ocorre em Florianópolis.

No século passado, o vereador Wilson Rosalino da Rosa, do PCB, apresentou um polêmico projeto de lei. Previa a cobrança de uma taxa de turismo, destinando a receita para investimentos no setor. Foi crucificado. E não se falou mais na proposta.

Em Nova Iorque – sabem os milhares de catarinenses que lá estiveram – os hotéis cobram as diárias mais caras dos Estados Unidos. E adicionam quatro taxas de hospedagem.

Florianópolis é uma ilha com limitações físicas, geográficas e ambientais, tornando crítica a mobilidade urbana. As praias do norte tiveram um crescimento desordenado. Ingleses já é crítica durante o ano. Chega o verão vira o mais completo caos. E sabem o que o poder público fez para melhorar a mobilidade? Nada! As ruas e avenidas são exatamente as mesmas. Pior: uma rodovia é estadual; a estrada é municipal. E Estado e prefeitura não se entendem.

“O melhor destino turístico do Brasil” está doente. Milhares de turistas para cá vieram. Ficaram horas parados no trânsito, não tiveram água nas torneiras, ficaram sem energia, o sinal do celular desapareceu e foram explorados no comércio.

E ninguém é responsabilizado por nada.

Desde o final do ano, com o início da temporada, as filas e a lentidão são frequentes na SC-401, caminho para as praias do Norte da llha

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

0 Comentários

  1. Vera Ribeiro disse:

    Concordo plenamente. E observo que, tanto a mídia como os empresários(hotelaria…restaurante…lojas de praia…)
    enaltecem e priorizam a quantidade de turistas.
    Devemos, sim, priorizar a QUALIDADE desses turistas, investindo em infra estruturas; em alojamentos e restaurantes de bom gosto; em proteção e cuidados com a paisagem natural, que é o fator primordial do sucesso de Florianópolis.
    Aí, sim, esses setores poderão cobrar mais por um Turismo de alta qualidade.
    Florianópolis precisa de turistas que sejam educados e que sejam grandes consumidores mas para isso, precisa oferecer um turismo de ótimo padrão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *