Condições precárias colocam professores e alunos em situação de risco em escola do Norte da Ilha
10/04/2012
Cesta básica em Florianópolis é a sétima mais cara entre as capitais brasileiras: R$ 255,52
10/04/2012

Começa nesta terça-feira o balanço da destruição provocada por incêndio no Parque Estadual da Serra do Tabuleiro

Quatro dias após o controle do incêndio no Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, gaviões e urubus sobrevoavam nesta segunda-feira a área queimada na Baixada do Maciambu, em Palhoça.

Um indício de que a queimada, além de ter devastado 920 hectares de terra (equivalente a 920 campos de futebol), estimados pela Fundação do Meio Ambiente (Fatma), deve ter deixado muitos animais mortos.

Também na segunda-feira, a Polícia Militar Ambiental e a Fatma começaram a se organizar para fazer o levantamento das perdas do parque. O presidente da Fatma, Murilo Flores, fará um sobrevoo na tarde de terça-feira junto com a PM sobre o local atingido para fazer um diagnóstico mais detalhado da situação.

— Precisamos verificar qual foi exatamente a área devastada, o que existia ali, os mananciais, tipos de vegetação e animais. Essas informações serão fundamentais para estabelecer o plano de recuperação. Nesta semana espero estar com esse estudo concluído — afirma Flores.

Conforme a Polícia Militar Ambiental, os animais com mais dificuldade de fugir são tartarugas, cobras e tatus. Já bichos mais habilidosos, como cachorro-do-mato, têm maior facilidade de fuga. Mas, até esta segunda, nenhuma equipe tinha entrado na área afetada para investigar a situação.

O fogo começou antes das 19h de terça-feira da semana passada e só foi controlado totalmente às 22h de quinta-feira. Os primeiros focos foram na Passagem do Maciambu. Segundo o chefe da unidade de gestão do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, Alair de Souza, a única certeza que se tem é de que o incêndio foi provocado.

— Começou em vários focos separados. As chamas não poderiam ter se propagado, dessa forma, naturalmente — destaca Souza.

Há a suspeita de que moradores teriam queimado a área para melhorar as pastagens dos bois. A outra suspeita, de que dois homens de moto teriam ateado fogo, foi descartada.

— Não identificamos o possível autor, nenhuma informação fechou, nem da placa da moto denunciada — diz o comandante da Polícia Militar Ambiental, Leibnitz Martinez Hipólito.

Recuperação

O chefe da maior unidade de conservação do Estado explica que em um ano a vegetação rasteira se recupera. A maior preocupação é com as mais avantajadas, como as árvores.

Será preciso mais de 10 anos o ecossistema se aproxima do que era antes da queimada. O tamanho da área atingida deixa dúvidas. Na semana passada a Fatma informou uma área de 70 a 100 hectares e, no final da tarde de quinta-feira, corrigiu para 700 hectares, que teriam passado para 920 hectares com o avanço do foco de incêndio até a noite do mesmo dia.

Essa área total, corresponde a um terço do espaço do trecho do parque na Baixada do Maciambu. Toda a extensão da reserva tem 90 mil hectares.

(http://diariocatarinense.clicrbs.com.br/sc/geral/noticia/2012/04/comeca-nesta-terca-feira-o-balanco-da-destruicao-provocada-por-incendio-no-parque-estadual-da-serra-do-tabuleiro-3721590.html,10/04/2012)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *