Comunidades reclamam mais atenção
24/03/2011
Grande Florianópolis precisa de investimentos para garantir abastecimento de água até 2025
24/03/2011

Inauguração, ontem, da obra que deveria aliviar o trânsito rumo ao Sul da Ilha não teve o efeito esperado por muitos motoristas

O elevado do Trevo da Seta, entre os bairros Costeira do Pirajubaé e Rio Tavares, em Florianópolis, foi aberto às 10h de ontem. Mas, apesar das promessas de solucionar o congestionamento, os motoristas enfrentaram novamente filas no sentido Centro–Sul da Ilha.

Se de manhã o trânsito fluiu de maneira normal, durante a tarde e início da noite, foi registrado pelo menos um quilômetro de congestionamento para quem ia do sentido Centro–Sul da Ilha.

De acordo com a Polícia Militar Rodoviária (PMRv), o trânsito fica mais lento neste sentido pois os motoristas vêm de uma pista tripla, como a da Via Expressa Sul, e caem em uma rodovia simples, como a SC-405. Já quem vai para o aeroporto, o trânsito flui bem, pois não há mais entrocamentos ou obstáculos.

Apesar da inauguração estar marcada somente para o começo de maio, a abertura do elevado, na véspera do aniversário da cidade, teve um cerimonial com direito a banda de música tocando o hino de Florianópolis e discursos.

Antes da liberação para os carros, o prefeito Dário Berger passou pelas pistas, acompanhado de autoridades políticas e representantes da empreiteira responsável pela obra. Ele até cortou uma fita vermelha.

– Adiantei a liberação da pista antes da inauguração porque esse é o ponto de maior congestionamento da cidade. O elevado está pronto, o que falta são as obras complementares – alega, lembrando que o número de moradores no Sul da Ilha é de proximadamente 68 mil.

Assim que a PMRv liberou o trânsito, os motoristas passaram buzinando, demostrando aprovação com entrega do elevado feito com a promessa de desafogar o trânsito, principalmente, de quem vai ao aeroporto e ao Estádio da Ressacada.

– Espero que fique melhor agora que temos a obra pronta, porque o trânsito no Sul está muito complicado – diz a professora Camile Pacheco, uma das primeiras motoristas a passar sobre o elevado.

A PMRv não teve muitas dificuldades em controlar as novas rotas do trânsito na manhã de ontem, e o trânsito fluiu bem.

Ainda assim, os motoristas receberão orientações da polícia até que a obra seja totalmente concluída. Isso porque parte da sinalização ainda é feita por cones e não há faixa de pedestres. Todos os dias, cinco agentes devem fazer o monitoramento. Também falta concluir a pista de aproximação. Para isso, é preciso que a Celesc retire três postes do local.

Para o porteiro Valter André Teixeira, que mora no Rio Tavares e utiliza o transporte coletivo, a obra pode minimizar os congestionamentos entre o aeroporto e o Centro. Mas para quem vem da SC-405, que conta ainda com rodovia simples, fará pouca diferença.

O governo do Estado garante que a terceira faixa da via, licitada há dois anos e meio, ficará pronta até o fim do ano, mas nem as negociações das desapropriações foram finalizadas. Segundo a prefeitura, haverá modificações no trânsito assim que a terceira faixa da SC-405 for construída.

(DC, 23/03/2011)

Mudança divide opiniões

Com o fim dos cruzamentos por causa do elevado, quem circular entre Centro e aeroporto ou SC-405 chegará mais rápido ao seu destino.

Já os moradores da Costeira do Pirajubaé que precisarem ir ao Sul da Ilha, terão que seguir em direção a Via Expressa Sul e fazer o retorno na segunda sinaleira, perto do ginásio de esportes do bairro. A mudança dividiu a opinião da comunidade.

– Ficou mais difícil para o morador. Só pensam nos motoristas que usam o aeroporto. Deveria ser igual ao elevado de Capoeiras, onde existe as preferenciais, mas nenhum sentido é fechado – reclama o comerciante Antoninho Scariot.

O aposentado Mário Lima, 62 anos, pensa diferente.

– Gostei, está mais seguro. Não me preocupo de fazer o retorno para ir ao aeroporto. Vai acabar com as filas nos dias de jogos do Avaí – acredita.

No sentido Costeira–Sul, somente os ônibus poderão cruzar por baixo do elevado. Por enquanto, a PMRv vai fazer esse controle. Segundo o secretário de Obras, Luiz Américo Medeiros, assim que a obra ficar pronta, serão colocadas sinaleiras inteligentes, que identificam a presença de ônibus por meio de sinal de rádio.

A obra começou em setembro de 2009. O prazo vence em 4 de maio, quando será realizado o evento de inauguração total. O investimento foi de R$ 16 milhões (R$ 12 milhões do Estado e R$ 4 milhões da prefeitura).

(DC, 23/03/2011)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

1 Comentário

  1. Wellington disse:

    Quanto amadorismo… E a celesc sempre atrasando toda e qualquer obra, e ninguém toma providencias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *