As lições do caso estaleiro
19/11/2010
Campanha Coqueiros Lixo Zero
19/11/2010

Cidade tenta captar novos investimentos no setor náutico após transferência do projeto do estaleiro de Eike Batista para o RJ

Biguaçu perdeu o estaleiro da OSX para o RJ, mas continua apostando no setor náutico. Na busca por tornar o município uma referência no segmento, a cidade trabalha em três frentes: contribuindo para o plano de gerenciamento costeiro estadual, em projetos de formação técnica e de macrodrenagem do Rio Biguaçu.

Mas, além disso, é preciso enfrentar a insegurança jurídica que afasta investimentos da cidade. Não só megaprojetos como o da OSX. A catarinense Schaefer Yachts quer ampliar seus negócios no município, mas não consegue. Na terça-feira, completou três anos o embargo da construção de uma nova fábrica.

O terreno, às margens do Rio Biguaçu, foi embargado pelo Ibama mesmo tendo uma licença ambiental da Fundação do Meio Ambiente (Fatma). O empresário Márcio Schaefer tentou um acordo com o Ibama por um ano, depois entrou na Justiça e espera, até o final de 2010, uma resolução para o problema.

– Estamos procurando uma alternativa. Eu não gostaria de sair da Grande Florianópolis, porque nasci e cresci aqui – desabafa Schaefer.

O secretário de Desenvolvimento Econômico e Inovação Tecnológica de Biguaçu, João Braz da Silva, comenta que existem empresas de fora do Estado interessadas em se instalar na cidade. Uma delas busca espaço para a construção de estaleiros.

– As negociações estão em fase embrionária, mas o investimento previsto demonstra o potencial que o setor náutico tem na cidade – avalia.

Ele destaca que o município tem mais de seis estaleiros instalados, mas reconhece que é preciso mais organização. Para alterar este quadro, a cidade prevê a revisão do plano diretor para ampliar as áreas industriais.

O gerente de Desenvolvimento Econômico Sustentável da Secretaria de Desenvolvimento Regional da Grande Florianópolis, Alessandro Garbelotto, lembra que está sendo discutido em cada município da região, incluindo Biguaçu, o Plano Estadual de Gerenciamento Costeiro, que prevê áreas adequadas para empreendimentos e atividades que dependem da relação com rios e o mar.

A prefeitura de Biguaçu contribuiu com este debate apresentando locais de interesse náutico para o município, como toda a área navegável do rio que atravessa a cidade. Para Garbelotto, uma legislação mais clara sobre este tema impediria problemas como o vivido pela Schaefer Yachts.

Para o presidente da Fatma, Murilo Flores, a aprovação do Plano Estadual de Gerenciamento Costeiro é “vital” para o desenvolvimento do Estado.

– A criação deste patamar vai tirar da licença ambiental uma competência de juízo de valor que não é dela.

A cidade tem ainda um projeto para macrodrenagem no Rio Biguaçu, com abertura do canal. O processo teria recebido um pronunciamento favorável do Ibama, segundo Silva, mas depende de concessão da Secretaria do Patrimônio da União (SPU).

(ALESSANDRA OGEDA, DC, 19/11/2010)

Cursos para capacitar mão de obra
Falta mão de obra especializada para as indústrias do setor náutico local. Esta foi a avaliação dos empresários e do secretário de Desenvolvimento Econômico e Inovação Tecnológica de Biguaçu, João Braz da Silva, em reunião ontem à tarde.

Para solucionar este problema, Biguaçu está projetando novos cursos de capacitação na cidade a partir do início de 2011.

O município doou um terreno para a instalação da Escola Naval em parceria com o Instituto Federal de Santa Catarina.

As obras do primeiro bloco devem começar no início do próximo ano, segundo Silva, mas os cursos de capacitação nas áreas eletroeletrônica e naval começarão antes da obra ser concluída.

– Vamos operar, no início do ano, provisoriamente, em escolas municipais, para acelerar o processo de preparar as pessoas para assumirem os postos de trabalho que já existem na cidade – comenta o secretário Silva.

(DC, 19/11/2010)

Projetos de Eike
Da coluna Informe Econômico, por Estela Benetti (DC, 19/11/2010)

Entre os projetos que o bilionário Eike Batista estuda instalar no megaterreno em Biguaçu está um estaleiro de iates de luxo. O empreendimento teria sintonia com o polo naval da região da Grande Florianópolis e com a paisagem da região. O projeto pode ser mais apropriado do que um resort porque não há praia no local.

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *