Tecnologia catarinense na Copa
15/06/2010
Lagoa dos Açores será revitalizada
15/06/2010

Parque Estadual do Rio Vermelho irá passar por restauração ambiental

Uma das diretrizes será o fomento à criação e articulação de fóruns,conselhos municipais e regionais para garantir a participação da comunidade.

Para oferecer aos munícipes e visitantes um passeio por um cenário diferenciado com mais conforto, segurança e para que haja conservação da paisagem, a Prefeitura de Florianópolis com o apoio fundamental da Eletrosul – investe em ações com o intuito de elaborar um diagnóstico qualitativo e quantitativo, plano de colheita de madeira comercial e projeto de restauração ambiental das áreas ocupadas por flora exótica no Parque Estadual do Rio Vermelho.

O Poder Executivo Municipal será o responsável pelo desenvolvimento e execução da Política Municipal de Remoção e Substituição de Pinus, Eucalypituus e Casuarina spp por espécies nativas. O projeto de Lei Nº 13.706/09 de iniciativa do Vereador Dinho (PSB) tratando do assunto foi aprovado pela Câmara Municipal de Vereadores da Capital em 2009, sendo colocado em prática neste primeiro semestre.

A empresa Silvi Consultoria Engenharia fará a elaboração dos relatórios preliminares de todo serviço colocado no primeiro paragrafo. Segundo o diretor superintendente da Floram, engenheiro Gerson Basso a Lei Federal 9.985/2000, que institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação, restringe em seu artigo 31, a introdução de espécies não-autóctones em unidades de conservação. “Portanto, parafraseando o texto, é vital prever, prevenir e combater na origem as causas da sensível redução ou perda de diversidade biológica”, lembra ele.

O primeiro passo confirma Basso, será o levantamento de espécies nativas, o segundo será retirar as espécies não nativas com substituição em locais mais apropriados. Essas árvores, que não fazem parte do cenário original da região e surgiram de forma não planejada, estão na maioria das vezes em locais desapropriados. “Os resultados obtidos nesse projeto poderão ser sentidos em alguns anos, com fins de reconstituição da cobertura vegetal”,conclui.

Com ações que vão desde análise do solo, levantamento de espécies nativas locais e indicação de plantio por tipo de solo, o projeto em questão estará recuperando todo parque em 10 anos.

(PMF, 15/06/2010)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

2 Comentários

  1. Prezados,
    É importante fazer uma correção. O PL13.706, de autoria do Vereador Dinho, todavia está em discussão na Câmara Municipal e pretende remover o Pinus, a casuarina e o eucalyptus em todo o território de Florianópolis, o que incluiria o parque do Ria Vermelho. As ações específicas do parque, até o momento estão sob responsabilidade da FATMA que deverá iniciar a remoção daquelas árvores, antes mesmo da aprovação da lei que propões o Vereador Dinho.
    Grato e a disposição para maiores esclarecimentos (dinho.psb@gmail.com / 3027-5704)
    Sidnei Niederle, da assessoria do Vereador Dinho.

  2. Nelson Luiz Zilli disse:

    É brincadeira, nem tenho palavras para expressar minha indignação, já faz mais de uma década que se fala na remoção desse tão famigerado pinnus e ainda nada? O que é que os órgãos responsáveis estão fazendo, estão dormindo? Esse é mais um dos milhares de exemplos de descaso público para com o meio ambiente que impera em nosso país. Todo mundo sabe dos efeitos maléficos das plantas invasoras e muitas décadas atrás um mané resolveu introduzi-las justamente numa área de preservação. O que é que esta pessoa tinha em sua cabeça?Desculpem o termo chulo, mas não aguentei, seria miolo de tripa?
    Já faz muito tempo que passou da hora de recuperarem a área com vegetação nativa, afinal de contas esta é ou não é uma área de preservação? Acordem! Vergonha na cara ! Seria a FATMA a responsável ? Se for meus pesares, exemplo de inoperância e acomodação !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *