Um lance a mais no Tabuleiro
17/02/2009
Campanha da Rádio Guararema “Praia Limpa” continua no próximo final de semana, em Florianópolis
17/02/2009

Ossca despejada por fundação

Orquestra não tinha contrato com Estado para ocupar espaço no CIC

Após ocupar irregularmente as instalações do Centro Integrado de Cultura (CIC), em Florianópolis, por 15 anos, a Orquestra Sinfônica de Santa Catarina (Ossca) foi despejada pela Fundação Catarinense de Cultura. Na tarde de ontem, funcionários pediram ao maestro José Nilo Valle que deixasse o local. As sete salas utilizadas pela orquestra foram abertas por um chaveiro para limpeza.

A reintegração administrativa de posse foi feita porque não havia contrato entre o Estado e a Associação Cultural Orquestra Sinfônica de Santa Catarina, que administra a Oscca. Apesar do nome, a orquestra é uma entidade privada. Desde a fundação, em 1993, funcionava no CIC em espaço cedido informalmente pela fundação. Nunca houve contrato formalizando o empréstimo.

O maestro, que também é presidente da associação que administra a Ossca, foi notificado, pela primeira vez, de que precisaria sair do local, em novembro do ano passado, depois de a Procuradoria do Estado solicitar a regularização do espaço. Outras duas notificações foram feitas posteriormente e o prazo final para a orquestra deixar o CIC encerrou-se no dia 6 de fevereiro.

Por volta das 17h de ontem, um chaveiro abriu as salas da orquestra. Nenhum funcionário do CIC possuía as chaves. A administradora do centro, Iara Silva, disse que nunca havia entrado no local desde que o espaço foi ocupado pela Ossca.

Maestro deve se reunir com secretário de Cultura hoje

Iara contou que o maestro teria derrubado uma parede sem autorização da Secretaria de Cultura. A orquestra utilizava água, luz e telefone do CIC, além de equipamentos, como máquina de fotocópia e fax.

Valle disse estar muito abalado para comentar o caso e que deve conversar com o secretário de Cultura, Gilmar Knaesel, na manhã de hoje.

O maestro apenas afirmou que a Ossca foi criada por vontade da Fundação Catarinense de Cultura quando Paulo Bauer estava à frente da secretaria.

O maestro e os músicos poderão retirar seus pertences em horário de expediente. No local onde funcionava a orquestra ficará a parte administrativa do Museu de Arte de Santa Catarina.

A presidente da fundação, Anita Pires, não foi encontrada para comentar o caso.

(Luciana Ribeiro, DC, 17/02/2009)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

4 Comentários

  1. Julia Amorim disse:

    Difícil compreender a lógica disso tudo: os músicos foram despejados, estão na rua devendo aluguel. Expulsos do lugar onde provavelmente ensaiavam para representar o Estado com música erudita de alto nível. Para tudo! Como assim? Vão erguer paredes para a burocracia tomar conta do espaço do Centro Integrado de Cultura?!

  2. Julia Amorim disse:

    É uma notícia muito triste.

  3. Arlindo Reis disse:

    Em tudo neste país tem política podre.
    A luta árdua,o preparo técnico, enfim, nada disso adianta. Se não fizer parte da turminha (máfia), fica-se a ver navios. É estupidamente diferente nos países de primeiro mundo, onde a capacidade, a luta e o preparo técnico é o que vale. Nestes países se respeita os verdadeiros valores, ou seja a competência, a luta. O maestro Nilo subiu e desceu escadarias dos palácios por centenas e centenas de vezes para conseguir manter uma extrutura a nível de sinfônica. Além da formação técnica à nível dedoutorado, o suor e as lágimas.
    Como se não bastassem as dificuldades financeiras, por último passam o pé em quem já estava caindo. Pra que serve o CIC (Centro Integrado de Cultura)? O espaço físico era o mínimo que esta instituição deveria fornecer como apoio a tão nobre OSSCA. Se contrato era o problema,e não apenas desculpas para tamanho absurdo,porque não fizeram esse tal contrato? O CIC está simplesmente gerando um grande prejuizo a cultura musical de qualidade na santa e bela Catarina, justamente o oposto do que deveria.

  4. André Gomes Augenstein(Ex Spalla) disse:

    Sr. Arlindo o dia que tocares,os concertos números 3,4 e 5 de Mozart “bem tocado”,podes
    talvez ser considerado violinista.
    isto porque não falei dos 24 estudos de don´t.
    Vejo que estás cego ou compactuas com a(s)pessoa(s) erradas.
    Ass: André Gomes Augenstein

    Obs: Violinista e não Pastor né…………

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *