Uso irresponsável de sacolas plásticas é atacado em variadas frentes no País
17/10/2008
Ibama solta aves e pune criador
17/10/2008

Parcerias reforçam programa de Alfabetização

O secretário da Educação, Paulo Bauer recebe, nesta sexta-feira (17), às 14h, representantes das entidades convidadas a participar do programa Santa Catarina Alfabetizada, integrado ao “Brasil Alfabetizado”, do Ministério da Educação (MEC). A mobilização pelo ensino tem o objetivo de alfabetizar os cerca de 225 mil analfabetos existentes no Estado, segundo dados do IBGE e conta com a participação de órgãos públicos, empresas, universidades, prefeituras municipais. Participam da reunião representantes da Fiesc, FCDL, Celesc, UFSC, Facisc, Udesc, Undime, Acafe, ADVB e Ampesc. O programa estadual é integrado ao “Brasil Alfabetizado”, do Ministério da Educação (MEC).

O cadastramento das pessoas que não sabem ler e escrever teve início nessa quarta-feira, dia 15, nos Centros de Educação de Jovens e Adultos (Cejas), nas escolas públicas. De acordo com o secretário Paulo Bauer, a iniciativa vai envolver toda a sociedade catarinense, além de sensibilizar os cidadãos alfabetizados a participar da campanha com a indicação de estudantes, criando a figura do “padrinho”, que acompanhará todo o processo de alfabetização do “afilhado”.

A idéia é articular uma rede estratégica definindo metas em prol da qualidade do ensino público com ampla participação de todos os segmentos sociais. Essa mobilização reforça o compromisso de todos os catarinenses para com a educação. O analfabetismo no Brasil é um dos maiores obstáculos à inclusão social e ao pleno exercício da cidadania, sobretudo, entre as camadas mais pobres da população. Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada em 2006, o Brasil ainda possui 14 milhões de pessoas não alfabetizadas. Embora registre um dos índices mais positivos dos últimos 15 anos, apresentando uma queda de 17,2% para 9,9% em 2007, seguindo uma tendência histórica, os números sinalizam a necessidade de novas estratégias para mudar esse quadro.

O retrato do país revelado pela pesquisa destaca Santa Catarina, que tem 16 cidades livres do analfabetismo, dentre os 64 municípios brasileiros com menos de 4% de analfabetos. É o segundo estado mais alfabetizado e aparece no topo do ranking nacional, nas últimas avaliações do IDEB e ENEM. Mesmo que os índices sociais e educacionais de Santa Catarina estejam entre os melhores do país, ainda persistem alguns problemas. Os dados indicam 225 mil analfabetos, na faixa etária dos 15 anos ou mais. A localização geográfica e a idade se refletem no baixo índice de escolaridade. O maior contingente de analfabetos está concentrado entre as pessoas com mais de 50 anos de idade e, dos 50 municípios com maiores taxas, 27 concentram-se na mesorregião do Oeste catarinense.

O programa estadual, integrado ao programa federal, vai promover a inclusão social dos catarinenses que não tiveram oportunidade de freqüentar a escola na idade regular. Para zerar o analfabetismo até 2010, a Secretaria da Educação vai desenvolver ações em três etapas.

Como ponto de partida, pretende matricular em cursos de alfabetização, até o próximo ano, 80 mil pessoas; em 2009 mais 80 mil e, por fim, em 2010, 65 mil. A medida vai possibilitar o exercício constitucionalmente previsto do direito à educação por toda a vida, novas oportunidades de emprego pela qualificação adquirida e transformar Santa Catarina em um Estado de excelência na educação.

ATENÇÃO:

INSCRIÇÕES: de 15 de outubro até 14 de novembro;

INÍCIO DAS AULAS: Novembro de 2008

As pessoas interessadas devem procurar as escolas públicas mais próximas de sua casa, onde receberão mais informações;

Horário adequado à necessidade do aluno.

(Secretaria de Estado da Educação, Ciência e Tecnologia, Adjori/SC, 17/10/2008)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *