Carvoeira, o bairro que não existe
03/08/2007
Agenda da Ong: 06 a 12 de agosto
03/08/2007

Que tal a bicicleta pública?

Da coluna de Cacau Menezes (DC, 03/08/2007).

A discussão sobre os estacionamentos de bicicleta na Ilha, imaginem, chegou ao Velho Continente. Na verdade, a coluna recebeu de lá uma excelente exemplo, que pode ser seguido por essas bandas. Desde o dia 15 passado, os parisienses podem usufruir de um sistema de bicicletas públicas, chamado Velib (http://www.velib.paris.fr/).

A idéia é bastante simples. A empresa ganhadora da concorrência pública – que explora os espaços publicitários em pontos de ônibus e no imobiliário urbano – terá o direito de explorar o sistema por 20 anos. A cidade de Paris não gasta um centavo.

Foram construídas 1.750 estações pela cidade toda, com várias bicicletas encaixadas em uma base. O usuário passa o cartão do banco, cria um código de acesso e o veículo é liberado. O usuário pode devolver a bicicleta em qualquer uma das estações. Se devolver antes de 30 minutos não paga nada, apenas o cadastro no sistema.

O jornalista Carlos Eduardo Locatelli, que vive entre Florianópolis e Paris, diz que as magrelinhas viraram febre por lá. E aqui, será que pegaria algo parecido?

Daniela

O Conselho Comunitário da Daniela apresentou, segunda-feira, à comunidade local o projeto de construção da ciclovia ligando a Daniela com Jurerê Internacional feita pela arquiteta do Ipuf Vera Lúcia Gonçalves da Silva. É identificada como Rota 44. Ainda não foi apresentada estimativa de custos.

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *