Plástico
13/08/2007
Um novo desenho para orla do Centro
13/08/2007

A Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina (Fatma) começa este mês uma pesquisa com as comunidades do entorno de unidades de conservação (UCs). Quer medir o grau de conhecimento que os moradores têm sobre as áreas protegidas. O levantamento será feito em escolas estaduais, municipais e particulares. Os estudantes vão levar os questionários para casa. “O objetivo é atingir as famílias”, explica a professora de educação física e integrante da equipe de educação ambiental da Fatma, Maria Cristina Peixoto Neves.

A pesquisa vai começar por três das dez UCs gerenciadas pela Fatma: os parques estaduais Serra do Tabuleiro (Grande Florianópolis e Sul do Estado), Acaraí (São Francisco do Sul, no Litoral Norte) e Fritz Plaumann (Concórdia, no Oeste). Os resultados serão usados para montar as estratégias de educação ambiental do Projeto de Proteção da Mata Atlântica em Santa Catarina (PPMA/SC), executado pela Fatma com recursos estaduais e do banco alemão KFW. “A maioria das pessoas desconhece o porquê de os parques existirem. Muitos nem sabem que vivem numa unidade de conservação. Precisamos das respostas do questionário para saber como agir”, diz a pedagoga da equipe, Rosana Magali Goularte Godoy.

Palestras e organização de visitas aos parques são os instrumentos de educação ambiental da Fatma. Um ônibus funciona como sala de aula itinerante pelo Estado. “Fazemos até teatro de fantoche em escolas”, conta Maria Cristina.

Dos três parques escolhidos para começar a pesquisa, o mais famoso é o da Serra do Tabuleiro, a maior UC catarinense. Ele ocupa aproximadamente 1% do território do Estado, está espalhado por nove cidades da Serra e do Litoral e reúne cinco composições botânicas principais – restinga, manguezal, floresta de encosta, mata de araucárias e campos de altitude. Os mananciais responsáveis pelo abastecimento de água da Grande Florianópolis estão dentro da UC Serra do Tabuleiro.

O Parque Fritz Plaumann, em Concórdia, no Oeste, é a primeira UC catarinense de conservação da floresta estacional decidual (caracterizada por duas estações climáticas bem definidas, uma chuvosa e outra seca). O Parque do Acaraí, em São Francisco do Sul, no Litoral Norte, é o mais jovem dos três. Foi criado em setembro de 2005, para proteger ecossistemas costeiros (restinga e mangue), a área de reprodução de aves marinhas no arquipélago de Tamboretes e o complexo hídrico composto pelo rio Acaraí, nascentes do rio Perequê e a Lagoa do Capivari.

As restrições incomodam os mais antigos

A costureira Ana Maria da Costa mora na Baixada do Maciambu, em Palhoça, perto do centro de visitantes do Parque da Serra do Tabuleiro, na Grande Florianópolis. Diz que conhece pouco sobre a UC, mas acha importante a preservação ambiental.

A costureira faz uma reclamação: “Queria construir uma outra casa no meu terreno, mas não posso”. Ana Maria mora no mesmo terreno há 33 anos e diz que se sente tratada como “invasora”. “Sou favorável a preservar o meio ambiente, até para evitar invasões. Mas deveriam deixar que nós, moradores mais antigos, pudéssemos construir.”

Um dos vizinhos de Ana Maria, o pedreiro Agnaldo Rubertino Gonçalves, também mora há 33 anos na região e não pode fazer novas construções no terreno onde vive. A construção do salão paroquial da igreja ao lado de sua casa está parada. Mesmo assim, Gonçalves acha válida a existência do parque. “Tem de preservar, senão daqui a pouco está tudo desmatado.”

O técnico administrativo do Parque da Serra do Tabuleiro, Eduardo Mussatto, explica que a proibição de construir dentro de áreas de proteção está prevista nos sistemas nacional e estadual de unidades de conservação. Outras restrições são do Código Florestal e atingem obras em qualquer lugar. “Os moradores podem fazer uma consulta à Fatma para saber quais são as restrições ambientais em seu terreno, o que podem fazer e o que estão proibidos”, orienta.

Os primeiros

Três das dez unidades de conservação de SC serão alvo de pesquisa dos entornos

Parque da Serra do Tabuleiro
Ano de criação: 1975.
Área: 87.405 hectares.
Localização: Grande Florianópolis e Sul do Estado.
Cidades: Florianópolis, Imaruí, Palhoça, Garopaba, Paulo Lopes, São Martinho, São Bonifácio, Águas Mornas e Santo Amaro da Imperatriz.
O que protege: restinga, manguezal, floresta de
encosta, mata de araucárias, campos de altitude e mananciais.

Parque Fritz Plaumann
Ano de criação: 2003.
Área: 740 hectares.
Localização: Concórdia, no Oeste do Estado.
O que protege: floresta estacional decidual (que tem duas estações bem definidas, uma chuvosa e outra seca, e perde as folhas no inverno).

Parque do Acaraí
Ano de criação: 2005.
Área: 6.667 hectares.
Localização: São Francisco do Sul, no Norte do Estado.

O que protege: restinga, manguezal, área de reprodução de aves marinhas e complexo hídrico.

“Se matar um animal aqui, pode ir preso”

O estudante Gregory Freitas de Souza, da quarta série do ensino fundamental da Escola Municipal Areias de Palhocinha, de Garopaba, visitou o Parque da Serra do Tabuleiro pela terceira vez, com outros 52 colegas, em julho. Nas vezes anteriores, viu antas, jacarés e capivaras e aprendeu uma lição: “Os animais e plantas têm de ser preservados. Aqui dentro ninguém pode fazer queimada ou matar animais, senão vai preso.”

As visitas de turmas escolares ajudam a divulgar a importância das unidades de conservação ambiental (UCs). O centro de visitantes da Serra do Tabuleiro funciona há cinco anos em Palhoça, na Grande Florianópolis. Estudantes da região conhecem a flora e a fauna existentes na área preservada por meio de exposições e expedições guiadas pelo parque.

Marcos de Souza, estudante da quarta série da mesma escola de Gregory, estava ansioso para ver os jacarés. Em casa, a família dele faz a separação do lixo e usa os resíduos orgânicos como fertilizante para o solo. Dicas que Marcos aprendeu na escola, diz a professora Sandra Carlsem. A visita à UC da Serra do Tabuleiro resultaria em um trabalho escolar.

“Nasci e me criei aqui. Minha mãe conhecia até a família que morava onde hoje fica o centro de visitantes”, conta Agnaldo Rubertino Gonçalves. Ele sempre morou vizinho ao parque e aprova o trabalho de educação ambiental.

(Felipe Silva, A Notícia, 13/08/2007)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

1 Comentário

  1. gregory freitas de souza disse:

    meu deus eu sou o gregogory aquele pequeno aluno que voces entrvistaram aos 5 anos atras .Pequeno mas ja inteligente ate hoje tenho essa vontade de ajudar os animais
    hoje em dia estou na 8 serie e o marcos na 6

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *