Clipping

Por que a maioria aprova?




Da coluna de Paulo Alceu (08/05/2007).

Quando acontece um episódio como o da operação moeda verde rapidamente se observa uma certa satisfação popular. Foi o que aconteceu. Por quê? Neste país o que se observa são pessoas ingressando na administração pública e em pouco tempo ostentando independência financeira, muito distante da realidade em que viviam. Enriquecem facilmente, e, fica por isso mesmo. Fora deste ambiente surgem as dificuldades e os obstáculos comuns para a infinita maioria. Na Europa, por exemplo, para se ganhar dinheiro há naturalmente espaço, mas não é fácil se tornar independe em poucos anos só se for beneficiado por uma herança de famílias que levaram décadas para ascender financeiramente. Ou através da sorte, quem sabe. Aqui é num pulo. Hoje os mais abastados saem das esferas da política ou das celebridades por 15 minutos. Sem contar dos carimbados pela ilegalidade, é claro. A imensa maioria vive exclusivamente do trabalho, do pagamento de impostos, das mazelas do cotidiano, driblando contas e afazeres, e acompanhando como espectador avanços ilegais sustentados pela impunidade. Por isso quando assistem ações que colocam no banco dos réus alguns suspeitos que emolduram este cenário, onde deveriam atuar como representantes do povo, aplaudem por se sentirem em parte atendidos e respeitados. Essa imensa maioria se sente, como os pobres e miseráveis, excluída sem perspectivas futuras.

Natureza

Deve ser votado hoje na Comissão de Meio Ambiente do Senado um projeto de lei que obriga quem tenha cometido crime ambiental a freqüentar curso presencial de educação ambiental, com duração de nove horas-aula e pelo menos uma semana. Segundo o autor, senador Raimundo Colombo, visa promover a conscientização do infrator na necessidade de proteger a natureza. O ideal é aumentar as penas, são muito brandas, e pelo visto, continuarão.

Declarações

Determinado o empresário Fernando Marcondes de Mattos, que ficou detido na PF dois dias, recebeu a imprensa para dizer que inicialmente pretende restabelecer a verdade para depois reiniciar suas atividades comerciais que segundo sua interpretação já estão sofrendo conseqüências negativas. “Se pudesse ia embora, mas dependem de mim 10 mil empregos entre diretos e indiretos. São 50 anos dedicados a este trabalho. Precisamos de um planejamento estratégico para a cidade, além de acabar com este conflito de competência na área ambiental.”

Solidariedade

No último fim de semana o governador Luiz Henrique jantou na Casa da Agronômica com o empresário Fernando Marcondes de Mattos. Chamou o amigo para um encontro familiar e voltou a criticar a forma como foi conduzida a operação moeda verde, que classificou de “pirotécnica.”



Notícias Relacionadas




Comente no Facebook

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira inclui a possibilidade de se penalizar blogs e sites pelo conteúdo publicado, mesmo comentários de terceiros. Portanto, a Associação FloripAmanhã se reserva o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos diferentes do tratado no site também poderão ser eliminados. Queremos manter um espaço coletivo de debates em torno de ideias. Façamos bom proveito para o melhor de nossa cidade.