Relatório avalia recursos hídricos
07/03/2007
Marinas e piers
08/03/2007

Parque do Rio Vermelho se tornará estadual

O Parque Florestal do Rio Vermelho, no Leste da Ilha, será transformado em unidade de conservação ambiental e passará a se chamar Parque Estadual do Rio Vermelho. A mudança ocorrerá após a transferência da administração do local para a Fundação do Meio Ambiente (Fatma).

Atualmente, o parque está sob o controle da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc). Com a transferência para a Fatma, ele será enquadrado nos sistemas nacional e estadual de unidades de conservação e passará por uma reavaliação técnica.

Segundo a diretora de Ecossistemas da Fatma, Ana Cimardi, a mudança ainda não tem data marcada e ocorrerá apenas após a definição de como será a administração de algumas estruturas localizadas na área do parque, como o camping, o viveiro de mudas, o posto do Corpo de Bombeiros e a estação de tratamento da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan). No momento, a Vara Federal Ambiental de Florianópolis realiza reuniões e audiências públicas com diversos órgãos para discutir o assunto. O próximo passo no processo é o governador Luiz Henrique da Silveira assinar o decreto definindo o parque como estadual.

Trezentos hectares de pinus serão cortados

Após a transferência, a Fatma fará a demarcação da área e um mapeamento temático para levantar informações sobre a cobertura vegetal, o uso e ocupação do solo e as áreas que precisam ser recuperadas.

Além disso, será elaborado um plano de manejo e construídos um centro para visitantes e uma sede administrativa. O objetivo é a preservação de ecossistemas naturais, possibilitando a realização de pesquisas científicas.

Com a gestão da Fatma, parece chegar ao fim a polêmica que envolvia o parque. Em abril do ano passado, o governador Luiz Henrique transferiu a administração dele para a SC Parcerias. Como diversas entidades questionaram o decreto, em outubro, o então governador Eduardo Pinho Moreira determinou que a administração retornasse para as mãos da Cidasc.

A Associação de Moradores do Rio Vermelho (Amorv) apóia a gestão da Fatma e irá desenvolver, juntamente com a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), um projeto de revitalização do parque, visando a sua adequação ao sistema de unidade de conservação, que poderá ser utilizado como subsídio das ações da Fatma.

– A comunidade não abre mão de que o parque seja uma unidade de conservação – afirma o presidente da Amorv, Roberto Bastos.

Outro ponto polêmico, a destinação dos pinus plantados na área, também foi definido pela Fatma e tem o apoio dos moradores. Eles serão extraídos e os recursos destinados à implantação do parque estadual. Atualmente, os pinus ocupam cerca de 300 dos 1,4 mil hectares da área.

– Todas as espécies exóticas serão retiradas da área – afirma Ana Cimardi.

Saiba mais

O Parque do Rio Vermelho
Criação: 1962, através de decreto do então governador Celso Ramos
Área: 1,4 mil hectares, o equivalente a 2 mil campos de futebol
Localização: vai da Barra da Lagoa, no Leste da Ilha, aos Ingleses, no Norte
Vegetação: nativa de restinga, floresta atlântica, dunas móveis e árvores exóticas, como pinus e eucalipto.
Fonte: Fundação do Meio Ambiente (Fatma)

(Estephani Zavarise, DC, 07/03/2007)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *