Radiografia da Capital
26/03/2007
Floram promove plantio de 50 árvores
27/03/2007

Cidade Criativa

Por Anita Pires, presidente da Ong FloripAmanhã

As cidades são atores decisivos na economia de um país.

Segundo Richard Florida, os aglomerados urbanos que apostam na criatividade serão aqueles, que no cenário da economia do conhecimento, mais relevâncias assumirão.

A aposta na criatividade, segundo o autor citado, consuma-se na atração de talento, na existência de educação de qualidade, empresas inovadoras e na prática da tolerância e de cooperação.

As cidades criativas são autênticas, informais e vibrantes. A sua qualidade de vida é excelente.

A aposta no conceito de cidade criativa é uma opção atrativa no desenvolvimento econômico. É nesse contexto que visualizamos o futuro de Florianópolis.

Queremos dessa forma externar simplesmente a convicção como cidadãos e observadores apaixonados da cidade de Florianópolis que, apesar da falta de visão do potencial imenso dessa ilha/continente de algumas lideranças públicas e privadas, a cidade cresce em inovação e criatividade.

São surpreendentes os indicadores de Floripa como uma cidade marcada por uma economia criativa, apresentado no trabalho, “As cidades e a classe criativa no Brasil”, de André Braz Golgher a partir do que foi feito em “cities and the creative class” (Florida 2005). A metodologia foi adaptada por ele para analise de algumas regiões metropolitanas brasileiras incluindo Florianópolis.

Os indicadores utilizados são referente ao censo demográfico de 2000 e segundo o tipo de ocupação:
Índice de talento (nível superior) – Proporção de trabalhadores no setor criativo;
• Índice de alta tecnologia (trabalhadores em ocupação científica com doutorado ou mestrado);
Índice de boêmia (trabalhadores em artes, atores, diretores, escultores, pintores, compositores, músicos, designers, decoradores, desenhistas industriais);
Índice de diversidade – indica o quão aberto é uma sociedade com relação a indivíduos diferentes e quanto mais aberta uma sociedade, menores são os custos de adaptação de indivíduos com diferentes backgrounds.

A partir desses indicadores as colocações de Floripa na analise merecem uma atenção especial.

No item proporção de trabalhadores na economia ativa, Floripa está em 2º lugar, pois esse indicador está relacionado à proporção de trabalhadores em atividades criativas, ou seja, qualificação acima da média.

No indicador região de alta tecnologia novamente Floripa aparece em 2º lugar e Brasília em 1º. Esse índice mostra o grau de sofisticação da economia analisada.

O índice de boêmia está relacionado à presença de atividades de alta tecnologia, criatividade e inovação. Segundo os estudos, o índice de boêmia elevado seriam aqueles mais atraentes para trabalhadores altamente qualificados. Floripa aparece em 1º lugar, em 2º está Salvador e em 3º está Rio de Janeiro.

No índice diversidade aparece algo diferente de todos os outros indicadores, pois Floripa que sempre está em 1º e 2º, aparece em 16º lugar, o que pode ser lido como uma cultura mais conservadora ou com sinais de preconceito. É uma análise simples mais que deve fazer parte do debate do pensamento futuro da cidade.

Florianópolis, com alto índice de talento e alta proporção de trabalhadores em atividades criativas demonstra a tendência da região na direção de pensar a cidade como espaço de transformação gerando inteligência, postos de trabalho e riqueza cultural.

Os desafios são políticas públicas e protagonismo social a partir desse ambiente favorável ao desenvolvimento de uma sociedade mais sustentável em todos os níveis. Planejar ações estratégicas a partir dos indicadores da pesquisa citada é uma forma de favorecer o desenvolvimento local e acelerar o empreendedorismo na direção da economia criativa.

Pensar a cidade como espaço de transformação é uma iniciativa singular que afirma a criatividade como maior fonte de riqueza e dinamismo no mundo atual.

Esse ambiente já existe em Florianópolis, e nasceu quase espontaneamente a partir da atração que a cidade exerce sobre esses atores qualificados que gradativamente escolhem a região para se instalar como profissionais em empresas criativas e de alta tecnologia. As estatísticas demonstram claramente essa realidade.

O protagonismo social é a ferramenta que impulsiona esse processo emergente, muito mais a partir das organizações da sociedade que do poder público, que não possui nos seus quadros esse potencial criativo e de pesquisa de alta tecnologia e inovação.

Incentivar, induzir projetos inovadores que visem a maior competitividade regional, o fortalecimento cultural e ampliação do caráter público da cidade, é a forma mais objetiva de transformar Florianópolis numa cidade inteligente e com alta qualidade de vida.

Dar visibilidade e tangibilidade a esse DNA tecnológico e da economia criativa estimulando parcerias entre empresas, universidades, instituições, ONG’s, comunidades, governos, numa grande rede de colaboração e, dessa forma inserir Florianópolis nos conceitos de Intelligent City.

O fortalecimento das identidades locais e das organizações públicas é fundamental para a construção e o futuro dessa cidade criativa.

Cidades com qualidade de vida e bem estar social são marcadas profundamente por organizações sociais fortes e agentes públicos conscientes e comprometidos com o seu papel de liderança e indução da comunidade na busca de políticas públicas que atendam e dêem sustentabilidade à cidade. Essa visão leva à construção de um ambiente favorável ao desenvolvimento da economia criativa, mola propulsora das cidades sustentáveis e inteligentes.

Quais são as condições ou que ambiente é necessário para se estimular a criatividade e a competitividade?

A criatividade é favorecida por contextos territoriais específicos que consubstanciam o chamado “genius loci”, espírito do lugar. O “genius loci” é a atmosfera que gera a atratividade dos lugares sobre os indivíduos que incorporam as comunidades criativas de base espacial.

Para esse ambiente favorável, a economia da criatividade contribui com a presença de trabalhadores e instituições, do conhecimento sendo necessário à organização do Espaço do lugar, propicionador do estabelecimento de redes sociais e de conhecimento.

Esse clima atrativo de talentos não se dá por indicadores tradicionais (níveis de escolaridade), mas por um ambiente aberto à experimentação e a cultura.

A exemplo de cidades com alto índice de bem estar social e desenvolvimento sustentável, podem ser destacadas algumas ações estratégicas e políticas públicas com metas claras que podem compor a visão de futuro de Florianópolis a partir de algumas questões:

Elementos tangíveis: composto por infra-estrutura digital, ambiente favorável às instalações de empresas de Tecnologia da Informação (ex: Fundação CERTI, incubadoras, entidades setoriais);

Elementos intangíveis: a criatividade das pessoas e das instituições, ambiente favorável à experimentação para se obter a criatividade, a inovação e assim a competitividade, dentro do conceito de “Cidade Inovadora e Competitiva para o Desenvolvimento Sustentável”;

• Aproveitar o momento da discussão do Plano Diretor para estabelecer princípios e conceitos na direção da economia criativa, ou seja, políticas urbanas fornecedoras de criatividade e da economia do conhecimento, modelos urbanos de suporte à criatividade e a inovação, políticas públicas educacionais visando à difusão do conhecimento e a contribuição para a dinamização econômica da cidade;

• Fazer um grande debate com as universidades, centros de conhecimento já existentes e as empresas, para ver quais as contribuições que podem tornar a cidade mais atraente e competitiva e que tipo de atividades associadas à economia do conhecimento e negócios tecnológicos podem ser estimulados na cidade;

Incentivar a cooperação com outras cidades criativas e seus pólos de conhecimento em torno de projetos concretos.

Poucas cidades do mundo têm um potencial e condições favoráveis ao desenvolvimento, da economia do conhecimento e da criatividade aliada a uma outra grande vocação regional que é o turismo e a beleza da região.

Turismo, inovação, conhecimento, criatividade são as ferramentas chave para o desenvolvimento sustentável de uma região. Florianópolis tem tudo isso.

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *