MP: “Turismo de Araque”
13/02/2006
Ungaretti: Ao trabalho
17/02/2006

PCR: Jurerê Internacional, o caminho que separa a África da Flórida

Da coluna de Paulo da Costa Ramos:

O empresário Pericles Druck, Presidente do grupo Habitasul, responsável pela implantação e manutenção de Jurerê Internacional, por ocasião do jubileu de prata do projeto, construiu uma frase que é a síntese do notável empreendimento. Disse que recebeu o título de Cidadão Honorário de Florianópolis “menos pelo que fizemos e mais pelo que, conscientemente, deix­amos de fazer, nas sucessivas e reiteradas renúncias que hoje expli­cam o posicionamento único e diferenciado” do balneário do norte da Ilha.

*** Essa atitude é de difícil repro­dução. É preciso dar uma olhada em bal­neários que distam poucos quilômetros de Jurerë Internacional, como é o caso de Campeche. Ali são construídas casas em cima do leito das ruas, que não tem mais do que 5 metros de largura.

***Essas ruas não possuem calçadas. Os muros das residências se fecham sobre os meio-fios. Se dois portões de garagem se abrem, em pontos opostos da via pública , bloqueiam o trânsito.Não é raro flagrar residências luxuosas construídas sobre dunas e vielas tortuosas dando acesso a vilas de casas.

***Dir-se-ia que a Ilha reúne, no espaço exíguo de 40 quilômetros, duas
realidades urbanas inteiramente disso­nantes. De um lado, conceitos total­
mente africanos de ocupação de terrenos lotes de 100 metros quadrados, arrua­mento com desenho de trilhas no mato, ocupação selvagem de recursos naturais, com construções em dunas e em lagoas aterradas.

***A outra face desse processo está reunida em Jurerê. As avenidas têm pistas quádruplas, entremeadas por jardins floridos. As ruas são largas e abrigam mansões de arquitetura única. Os ter­renos não se separam por muros, nem altos nem baixos – simplesmente, não existem muros em Jurerê.

* * * Não há também a fatal “Avenida Atlântica”, que conferiu o “selo de iden­tidade” a todas as praias brasileiras depois da construção da famosa avenida de Copacabana. Esse verdadeiro oratório erguido ao culto dos automóveis feliz­mente não se reproduziu na Ilha. As pra­ias aqui se desenvolveram depois que os carros, no Brasil, deixaram de se consti­tuir em símbolo de “status”.

***Não se pense, contudo, que este conceito foi adotado no projeto de Jurerê por acaso . Foi antes precedido por uma corajosa renúncia à lucratividade, soma­da a uma vigorosa aposta no futuro da Ilha como estação privilegiada de turismo.A decisão de fazer um balneário “diferente” pesou nesta renúncia progra­mada.

* * * O empreendimento estava autor­izado pelo Plano Diretor em vigor com uma taxa de ocupação que previa 143 habitantes por hectare. O projeto implantado acolheu apenas 91 habi­tantes. E, na média ponderada de Jurerê Internacional, o número acabou em 43,4 habitantes por hectare – vale dizer, 70% abaixo do que autorizava o Plano Diretor.

* * * Na temporada de verão torna-se até monótono acompanhar as denúncias veiculadas na imprensa, sobretudo pela indigência da infra-estrutura em nossos balneários. Em novembro, por exemplo, comparece às páginas o Presidente da Casan declarando que “neste ano, não faltará água” na Ilha.

* * * Ora, Florianópolis possui mais de 40 praias. Sem um trabalho incessante, que depende mais de verbas do que de saliva, não resolveremos essa questão. Menos de um mês depois, lá pêlos fins de dezembro, começa a gritaria na impren­sa: faltou água em Canasvieiras, faltou água na Cachoeira.

* * * E assim estaremos fadados a per­manecer até o terceiro milênio. A menos que nos mudemos para Jurerê. Neste bal­neário, o Sistema de Água e Esgoto, ban­cado inteiramente pelo empreendedor, tem capacidade de 1,5 milhão de litros. A qualidade da água é monitorada por sensores.

*** Por outro lado, a Estação de Tratamento de Esgotos tem a capacidade de processar os efluentes à vácuo. Depois de tratados, esses efluentes retornam ao solo mediante uma mecânica de irri­gação. O sistema do balneário está certi­ficado pela ISO 9001/2000. O controle da balneabilidade também é executado.

*** Os incorporadores também se preocupam com o bem estar dos 8 mil habitantes de Jurerê. O sistema de coleta de lixo, aí incluindo os catadores de papel, é devidamente organizado. O comércio de ambulantes é disciplinado. A Policia Comunitária credencia esse pessoal e supervisiona a contratação de operários pelas construtoras.

*** Nas 100 lojas do Jurerê Open Shopping, assim como na orla gastronômica com seus 4 restaurantes à beira mar, nos seus colégios, no seu supermercado, trabalham no pico da estação cerca de 2.300 pessoas, entre jar­dineiros, garçons, balconistas, emprega­dos domésticos, pedreiros. Cuidar para que a interação entre esses profissionais e habitantes se processe naturalmente é uma das funções do Conseg, que reúne as praias do Forte, da Daniela e Jurerê.

*** Em janeiro deste ano Jurerê Internacional comemorou a construção da milionésima residência na sua área de atuação. Juntando a isso os 1.070 apartamentos existentes, chega-se a uma população permanente de 3.600 pessoas, que na alta temporada cresce para 8 mil pessoas.

*** Um estudo realizado pela Habitasul mostra que o preço médio dos lotes, quando da implantação do projeto, em 1983, atingia 24 dólares o metro quadrado. Em 2002 , esse valor já alcançava 210 dólares o metro. Em 2005 o valor disparou para U$ 620!

* * * Exemplo dessa valorização pode ser visualizado nos dois últimos empreendimentos lançados pelo investi­dor Péricles Druck. No condomínio Arte dell’Aqua foram lançados 14 apartamen­tos de 600 metros construídos, ao preço de estrondosos 4 milhões de reais. Até agora, foram vendidos 7, ou seja, 50%.

* * * O outro condomínio lançado em dezembro, Il Campanário, com 144 studios, com preços que iniciam em 350 mil reais, já foi vendido em 30%. Isso para não citar a comercialização recém aberta do loteamento Amoraeville, dotado de 105 lotes a partir também de 350 mil reais.

* * * Em resumo: se um visitante fizer a viagem do balneário de Campeche para o Balneário de Jurerê Internacional, percor­rendo pouco mais de 30 quilômetros, estará cumprindo um roteiro direto entre o Zimbábue e Boca Raton ou Naples, na Florida. Da depredação e destruição ao generoso convívio com as coisas boas que a natureza pode oferecer.

***Como afirmou o empresário responsável por esse oásis de bemaventurança, cabe-nos “agir e não reagir como se fosse possível deter o progresso, parar o tempo ou tolher a livre movimentação das pessoas, sobretudo em busca de qualidade devida.”

*** E, prosseguindo: “Se não o fizer­mos , o preço a ser pago, por todos, é o nivelamento por baixo, é a equalização negativa. Ao contrário, se soubermos con­duzir este processo, o prêmio é a consoli­dação de uma comunidade auto-sustenta-. da entre as virtudes cosmopolitas e a justa apropriação das belezas naturais, da vida harmônica, alegre e sadia, em ambientes limpos, ordenados e seguros.”

*** Sábias palavras. Que os nossos dirigentes, notadamente o Governador e o Prefeito, tenham ouvidos abertos para elas.

PCR, O Estado (11.12/02/06)

mm
Monitoramento de Mídia
A FloripAmanhã realiza um monitoramento de mídia para seleção e republicação de notícias relacionadas com o foco da Associação. No jornalismo esta atividade é chamada de "Clipping". As notícias veiculadas em nossa seção Clipping não necessariamente refletem a posição da FloripAmanhã e são de responsabilidade dos veículos e assessorias de imprensa citados como fonte. O objetivo da Associação é promover o debate e o conhecimento sobre temas como planejamento urbano, meio ambiente, economia criativa, entre outros.

1 Comentário

  1. juliana disse:

    as casas dos nativos, feitas em madeira, com um refinamento e um bom gosto que somente aqueles que estao realmente inseridos na essencia da vida podem compreender. as casas nativas de floripa (e de todo litoral brasileiro) eu as considero CHIQUERRIMAS, de bom gosto, de acordo com a natureza e com nosso clima tropical. Requinte, elegancia e bom gosto nao quer dizer necessariamente que as casas precisem ser como as de outros paises, ou com nomes em outro idioma. Requinte e bom gosto é um lugar onde na praia se escuta o barulho do mar e das gaivotas ( e nao de musicas que copiaram dos modismos internacionais). Ser chique é respeitar a cultura local, é respeitar o meio ambiente e os todos os seres vivos. “Louges”, “copia barata” de modismos internacionais, festas a beira mar com ceiro de burguesia, colchoes espalhados na areia, gente falando alto….tudo isso é a coisa mais pobre e deselegante que eu conheço. elegancia nao é sinonimo de dinheiro, e isso pode ser constatado em jurere… uma lastima.florianopolis era chique com suas casas nativas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *